Autista, Autismo, asperger, criança autista, pessoas com e deficiencia, deficientes, TDAH

Loading...

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Livros Sobre Autismo com Edições Esgotadas

1) Vida de Autista
2) Autismo - Deslizando nas Ondas...
3) Deficiência ou Eficiência
Estão com suas edições esgotadas e fora do catálogo pelas editoras.
Já iniciei o projeto de reedição dos mesmos, quando então comunicarei a todos.
Grato pelo apoio de todos e contem comigo pelo e-mail:
E aqui neste blog.
Na medida em que o tempo permite, estou fazendo a migração dos meus artigos do Artigonal - Recanto das Letras e Escrita, embora os mantenha.
Luz e Paz

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

EU SOU UMA ROCHA - “I am a Rock”-



Ergui paredes
Uma fortaleza, alta e forte
Que ninguém pode penetrar.
Não preciso de amizades.
Amizades causam dor.
É o riso e é amar o que eu desenho.
Sou uma rocha,
Sou uma ilha,
Tenho meus livros
E minha poesia para proteger-me.
Estou blindado em minha armadura
Oculto em meu quarto
Seguro dentro do meu útero.
Eu não toco em ninguém e ninguém me toca.
Sou uma rocha
Sou uma ilha.
E uma rocha não sente dor
E uma ilha nunca chora.
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=
Para assistir o Clip da Música Clicar no link abaixo:
MARAVILHOSO.
http://www.youtube.com/watch?v=hhgFNRhgVP8&feature=related

“I am a Rock”- Paul Simon -
Estes versos de Paul Simon
foram entregues por paciente autista à sua terapeuta,
dizendo o que eles expressavam.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Liê Ribeiro - Mãe Excepcional Lança Livro


Quando a capacidade de abstração de Liê Ribeiro começou a materializar seus mundos, mais parecia que estava convulsionando, tornando o seu Vivendo Sonhos uma consciência capaz de colocar um personagem no lugar do outro até mostrar sua existência.
Na busca incansável de novas concepções de estados não comuns de consciência, Liê elaborou este livro ímpar do seu próprio coração de ser humano, sem desviar a conexão do fio da vida, mostrando os lugares onde ficam respostas para antigas perguntas.
Conheço Liê Ribeiro, há tempos. Ela é poetisa, mãe de autista, parideira de versos sem acentos súbitos, de compasso regular e ritmo ordenado como partitura musical de suas vivências.
Em Vivendo Sonhos, Liê sem pretender ser erudita, nem santa, durante o suave percurso da leitura, abre o caminho para um encontro do papel que está reservado para cada leitor no seu plano de criação, incluindo os aspectos das fecundas experiências da vida dos seus personagens.
Vivendo Sonhos é um livro que exclui a possibilidade de não captar de forma integral sua mensagem, atravessando novas fronteiras sem desvios ou duplo sentido para evitar que o leitor se perca no caminho.
Para visitá-la, clique:
Para adquirir seu livro:

Novo livro sobre Autismo


Vivências Autísticas oferecem uma sondagem no horizonte do tempo, onde encontrar suas origens é tão difícil quanto descobrir de onde vem o autismo propriamente dito. Mesmo que conseguíssemos estabelecer uma regressão de memória para voltar aos caminhos percorridos, lapsos ficariam, pois para o início da busca nada existe, e para o futuro ainda não há protocolo catalogado. Vivências Autísticas não são peças ocasionais, são produtos do dia a dia Vivências Autísticas é um livro dedicado aos pais, no sentido duplo e verdadeiro da palavra, amigos, cuidadores, médicos, guerreiros, enfermeiros e anjos da guarda. Todos - Mães e Pais – excepcionais.
Luminosos Testemunhos

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Falando de Autismo


   Até pouco tempo atrás, falar de autismo era um assunto que não provocava interesse jornalístico, pois não justificava discussões nas redações, até que a partir de meados de 2005 a mídia norte americana começou a elevar as pautas da síndrome infantil para a categoria de doença, sugerindo que estava em curso uma epidemia mundial do distúrbio, aumentando a carga de preocupação sobre os conceitos existentes e indefinidos em relação às características autísticas.
   Além de não passar de mais uma enganação alarmista para pais e responsáveis precariamente informados sobre o autismo em nosso país, onde ainda não há órgãos oficiais de saúde para cuidados específicos, sabe-se lá que interesses estariam por detrás daquelas notícias falsas, já que os índices de autistas diagnosticados no mundo são os mesmos de três décadas atrás, e esse tempo fica bem próximo da descrição da síndrome por Leo Kanner, psiquiatra infantil da John Hopkins University em 1943.
   Infelizmente no Brasil, o autismo começou a ficar mais conhecido, quando alguns políticos que surfaram nas ondas das CPIs de corrupção e imoralidade, se utilizavam da palavra autista para desqualificar o presidente da República, ministro, senador, deputado estadual, federal e personalidades, estabelecendo um adjetivo desqualificante que por pouco não vira moda.
   Felizmente, numa cruzada silenciosa: pais, associações, grupos de discussão na internet no mundo inteiro e movimentos pró autistas, conseguiram conter a onda, pois muitos daqueles políticos e outros que se utilizaram do autismo para caracterizar alguém com um “defeito”, desconheciam a condição médica do mesmo.
   Alguns profissionais da saúde em autismo ao invés de orientar, invertem situações para os pais, fazendo-os crer que o portador não se relaciona com outra pessoa que não seja igual a ele, incluindo propensões para outras síndromes especialmente na adolescência, de acordo com seu arbítrio, por falta de preparo técnico e experiência.
   Enquanto isso, o autista e seus pais continuarão pagando o alto preço do seu aprendizado que deveria ter a definição da causa da síndrome vindo da escola de formação do profissional, para manter a esperança da cura de um quadro psicológico abstrato e sem precedentes.
   Em condições normais, pais de autistas ou não, não precisávamos estar nos engalfinhando com políticos na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, rogando que se altere o artigo do projeto do Estatuto do Deficiente, onde está definido o autismo como deficiência, pela expressão: transtorno global do desenvolvimento, abrangendo outras síndromes, evitando que fiquem fora da proteção da lei.
   O autismo pode também ser uma proposta de educação, pois é de função pedagógica. Tudo que se faz pelo autista é orientado para educá-lo dentro dos princípios da pedagogia, não podendo ser visto como uma sina de caráter assistencialista, mas sim como uma linha reta de bom senso, merecedor de confiança.
   Autistas precisam de psiquiatras, psicólogos, psicoterapeutas e pedagogos e adjacentes competentes, que não fiquem praticando autofagia, cada um querendo deter monopólio de saberes, mas sim aprimorando experiências até para o governo brasileiro, a exemplo do que acontece em outros países onde a saúde é levada a sério.
   Autistas não devem ser catalogados apenas como crianças patologicamente necessitadas de apoio médico ao receberem o seu diagnostico, e que seus pais não se deixem levar pelo imediatismo, aceitando docilmente prescrições que seus efeitos colaterais os levem do seu estado natural para situações perturbadoras.
   Não podemos esquecer que nossos filhos autistas ou não, só vieram através de nós.
   Cada autista é único, vêm com sua própria personalidade, talentos e pensamentos.

O Poder da Resposta

        Dia desses quando cumpria mais um dia das minhas tarefas nas lides espirituais, atendi uma senhora, que me contou da sua tristeza pelo desvio de conduta do seu filho para as drogas.
    Não são raros estes encontros que nos trazem histórias dramáticas.
    Aquela senhora queria mesmo era uma explicação para o que ouvira em uma casa espírita, onde fora feita a mesma pergunta, e o “espírito consultado respondera” que o seu filho já estava perdido, isto é: por ele nada mais poderia ser feito.
    Não foi difícil explicar para ela que os espíritos nem sempre sabem tudo e menos ainda estar todos os lugares.
    Com felicidade senti que ao se despedir aquela mulher levou consigo uma enorme quantidade de perguntas, que certamente as respostas viriam durante o seu dia-a-dia, e lhe trariam o conforto para descobrir que seu filho não estava assim tão perdido.
    É comum encontrarmos na rua alguém oferecendo um folheto com o endereço de algum Consultor Espiritual. A função é tão pomposa que de repente dá para acreditar que é uma profissão regulamentada, pois o que se vende de bom é que eles podem resolver tudo.
    Se você está doente, sente dores de cabeça, dores na coluna, foi desenganado pelo médico, se pode fazer a cirurgia, tem problemas financeiros, sentimentais, lar dividido, casamento destruído, incompatibilidade conjugal, pessoas viciadas na família, se as portas estão fechadas, que está sendo vitima de inveja, obra de feitiçaria, olho grande, ouve vozes, sofre perseguição, ou quer localizar alguém seqüestrado ou não, ufa... Procure o consultor espiritual.
    Têm alguns “guias espirituais” que além de dar palpites, antecipam os números do resultado de jogos das loterias e mais, predizem até rituais de procedimentos do que se deve fazer antes de morrer, sem falar que o time que você torce será campeão.
    O que se poderia dizer àquela senhora que foi informada que seu filho estava perdido para as drogas, ou de quem com a maior pureza da alma se dirige ao consultor espiritual do folheto ou do cartão de visitas, é que ambos desconhecem a função dos espíritos, o que fazem e como vivem. Ela por ingenuidade, ele por esperteza.
    Aos espíritos pode-se perguntar qualquer coisa, assim como se poderá receber qualquer coisa como resposta. Cada espírito esta atendendo ao encarnado, de acordo com o seu grau de evolução.
    Os espíritos menos esclarecidos, nem sempre têm permissão para dizer tudo o que sabem. Espíritos evoluídos ou mais adiantados como se houve comumente, estão limitados a sua situação evolutiva, e só dizem o que sabem quando podem dizer, jamais dizendo ou interferindo naquilo que o encarnado, através o seu livre arbítrio, capacidade e capacitação poderia resolver, e nestas condições, ir e vir é uma questão de obediência..
    A fé, ingenuidade ou necessidade leva a pessoa a confiar em qualquer informação espiritual. Mas como saber se a informação é confiável? Até onde a informação é verdadeira?
    Sempre exemplificamos que qualquer manifestação extraordinária, previsão de acontecimentos futuros, lugares pré-determinados e outras informações que despertem curiosidade ou despertem o inusitado, devem ser rejeitados. Por quê?
    Por que a Casa Espírita não é consultório de adivinhações que atende pedidos deste tipo. Toda e qualquer revelação espiritual é espontânea e quase que infalivelmente acontecem por intermédio de um médium, completamente desconhecido da pessoa que a procura para atendimento.
    A Casa Espírita é um lugar para atendimento de assistência espiritual.
    Consultório médico é para atendimento de enfermidades. Casa de loteria é para jogar e tentar ganhar nos números dos seus palpites.
    Encontrar coisas e algum desaparecido é missão de polícia.
    A missão dos espíritos é o bem e o progresso da humanidade. Qualquer orientação ou informação pode ser obtida de médium atendente, por sua honestidade e boas intenções, em casa espírita.
    Uma pergunta de cunho espiritual, deve ter sempre em mente o aprimoramento moral.
    Levados por nossa boa fé, facilmente podemos nos deixar enganar por espíritos inescrupulosos, assim como podemos ser atraídos por consultores espirituais de má fé com suas “respostas infalíveis”.

Você é Portador da Síndrome da Paciência?



VOCÊ É PORTADOR DA SÍNDROME DA PACIÊNCIA?


“Se você estiver me ouvindo e entendendo, me dê uma resposta: movimente seu braço direito, esquerdo, abra os olhos, movimente a perna direita, esquerda etc.".
Insista uma, duas, três, cinco ou dez vezes, dependendo do estado autista ou do seu próprio.
Eu, sempre dou uma resposta, movimentando o membro solicitado ou fazendo a expressão pedida.
Quando responder é a questão... Quando quero... Quando posso... Questão de tempo... Imensurável.
A dificuldade nas respostas é comum para os autistas, talvez devido à frustração da descoberta que, deprime tanto a mãe como ele.
Pratique a Síndrome da Paciência que há em você.

Parada para Pensar - Real Significado da Vida

    Enquanto caminhava pelas ruas do bairro onde moro, eu observava que algumas residências ainda estavam enfeitadas com alegorias de Natal, principalmente as luzes nos jardins que se enrodilham entre arbustos e árvores, formando figuras que provocam exercícios de imaginação que vão da fantasia a emoção.
    Interessante, quando eu era menino, me lembro bem, os enfeites natalinos iam sendo desmontados logo após as festas de fim de ano. Alguns eram mantidos no máximo até o Dia de Reis, também conhecido como o final do Natal.
    Agora, o tempo passa e não importa que as alegorias desbotem ou as lâmpadas queimem provocando intervalos maiores no pisca-pisca dos vaga-lumes artificiais. O que importa é que a decoração deve ser mantida, sem dia marcado para terminar.
    Meu filho me chamou atenção para os papais noéis atuais. Eles são “transformers”, iguais aos bonecos do filme, desmontáveis, pulando o muro com uma perna só, outro aparece de costas se enredando pela parede e um dos mais interessantes é aquele que já está com meio corpo dentro da chaminé quando tem na casa, representando para quem vê de longe alguém que está invadindo a casa pelo telhado.
Cruzes. Descobri que os noéis esquartejados têm preço maior do que o valor que pagam pelo trabalho de um Papai Noel ao vivo, embora exista informações da sua extinção porque seus altos honorários a partir do tamanho da barba são insuportáveis, fazendo o lojista descartar a atração comercial, não importando o sacrifício.
    Em algumas lojas, e em centros comerciais a época natalina ainda é prorrogada por alguns dias. Tem presentes, ceia farta, abraços efusivos, gente sorrindo em imensos painéis luminosos, prolongando o espírito natalino para acompanhar as grandes liquidações comerciais.
    E eu cá com meus botões fazendo uma parada para pensar que se comemora o aniversário de nascimento do Divino Amigo, meu ídolo maior, de quem recebemos a maior lição de humildade da história da humanidade a partir da manjedoura em meio aos animais, como é que nós, simples mortais menos poderosos, nunca nos lembramos de calçar as sandálias da humildade?
    Como é que gastamos o que não temos e esbanjamos o que nos sobra?
    Raramente reavaliamos nossas atitudes, nunca nos esquecemos de criticar os defeitos dos nossos semelhantes. Como enaltecê-los por maiores que sejam suas qualidades se não corrigimos nossos erros, justamente na época mais propícia para isso.
     Penso que nos acostumamos a reclamar, pois é mais fácil ser desagradável ou mal humorado do que agradecer a Providência Divina por tudo o que de graça recebemos e não raro quando damos nos contrariamos.
     Raramente nos lembramos daquelas amizades que nos eram tão caras. Menos ainda daqueles que temos à nossa volta, que são obrigados a ouvir nossas bobagens e ainda sentir a nossa injustiça, só por que pensamos que a iniciativa de ser agradável não deve ser nossa.
    Tenho um amigo das lides espirituais que nos ensina que todo dia é Natal. Não importa que as liquidações e ofertas de início de ano seja aquilo que sobrou no estoque de vendas natalinas.
    Importa que o melhor presente seja para o nosso semelhante ficar feliz, até chore, mas que seja de emoção e não de dor pelo esquecimento.
    Que as imperfeições sejam reconhecidas pela mente e pela alma, para que não sejam repetidas no futuro, e haja perdão de todo lado.
    Que o aborto, não seja legalizado e nem considerado um instrumento de combate ao crime como querem alguns fracos que ainda desconhecem o real significado da vida.
    Que sejamos respeitados, governantes e governados.
    Que nenhum brasileiro precise viver como réu, na iminência de ser condenado por insânias contidas neste tal de PNDH (Plano Nacional de Direitos Humanos), só porque enquanto os mensalões continuam a justiça permanece cega e travada, o povo pobre e o pobre povo fica no pavor, enquanto nosso próprio presidente assinala que assinou sem ler um pensamento politicamente obsoleto, fingindo ser democrático.
Zilda Arns através do seu trabalho e vontade deu ao povo carente um pouco de dignidade, sem pensar em cadeira na ONU ou Premio Nobel.
    Zilda Arns e Chico Xavier jamais quiseram reinar através de feitos não realizados, sendo exemplos de tudo o que nossos políticos, sem generalizar, não querem ser.
    Quero considerar que este novo ano seja um projeto que vai dar certo.
    Que se inclua em tudo o que fazemos. Que faça parte de nós. Que nos deixe chegar até o seu fim pensando que estamos mais felizes do que quando o começamos.
    Na Luz e na Paz.

Normose - Involuções Humanas Atuais


    Tem uma nova doença na praça.
    É a Normose.
    Antes de ser doença, é também uma palavra nova.
    Serve para definir a pessoa que está sofrendo de ser normal.
    Vamos deixar claro.
    Quem está sofrendo de Normose, está padecendo da doença de ser normal.
    Entendeu?
    Não?
    É complicado.
    Temos que viver dentro de um padrão socialmente aceitável, de acordo com as evoluções humanas atuais.  Isto é, dentro de padrões pré-estabelecidos pela sociedade tida como avançada.
    Devemos nos encaixar num padrão que não é nada fácil de ser alcançado. Eu por exemplo, como sujeito integrante do sistema, para parecer normal, tenho que manter uma constituição física sarada e mais, ser razoavelmente bem sucedido financeiramente.
    A partir daí, já estou excluído da normosidade. Se desta variação da Normose ninguém falou, anotem: direitos de criação para mim, por favor.
    Atualmente parece que devemos viver mantendo uma enganação permanente.
     Foi promulgada a lei da tolerância zero para o álcool.
    Entre muitas brincadeiras que tripudiam a lei, que para mim é inócua porque não tenho esse hábito de consumo, ou padeço da doença do alcoolismo como a medicina trata, ou simplesmente tenho que me encaixar dentro dos padrões da normosidade, caso contrário, sou apenas mais um bêbado.
    Aqui em casa estamos policiando o vinagre, ora de álcool, ora de vinho que usamos, porque um regiminho semanal à base de saladas poderá nos sujeitar à perda da carteira de habilitação e pontuá-la negativamente, ser multado, e de repente ser preso protestando, porque até explicar para o guarda o que é Normose, ao ficar informado do que significa, poderá nos prender por desacato, o que não seria nenhum absurdo quando se topa com despreparados para a função pública, useiros e vezeiros do abuso de poder.
    Como se não bastasse a depressão  estar consagrada como  mal do século, o que provoca uma imensidão de efeitos colaterais, agora inventam a Normose.
    A Normose nos obriga a lembrar de ditaduras comportamentais.
    E de se perguntar quem são esses ditadores de comportamentos?
    Provavelmente são aqueles que não puderam contar com o apoio dos filhos, física e afetivamente.
    A “santa inquisição” fez ligações malignas até para as parteiras que nos “aparavam”, sem titular aquelas que  que as antecederam desde que o mundo é mundo, taxando-as de bruxas e condenando-as à fogueira.
    A Normose não conta com aspectos etéreos como justificativa para serem implantadas no universo. É uma mutação de palavras que  se mostram eficazes na hora de mudar formas usuais, mas ficam devendo quanto ao conteúdo.
    A ninguém é dado o direito de exigir que você se comporte dessa ou daquela forma, ou faça prova contra si mesmo de acordo com a Constituição Federal, como é o caso de assoprar no bafômetro para medir o teor alcoólico.
   Há duplicidade de lei. A primeira é tida como ideal. A segunda é mais um modismo do atual governo. Quanto ao  problema todo mundo sabe que é de educação simplesmente.
    O que se espera da humanidade, essa pobrezinha, que já pagou preços altíssimos pelos seus próprios destemperos?
    Fala com a  Normose, pois ela estimula a ânsia de querer o que não se precisa.
    Consta que quem inventou a Normose é aliado de adjacentes das Neurociências. Consagrada ela vai fazer em pouco tempo você pagar terapeutas para ter com quem conversar.
    A Normose é uma fraude. Leva a pessoa para hábitos inconscientes além de estar na base de uma crença da separatividade gerando distorções básicas na percepção da realidade, prática da corrupção e a produção de autômatos na vida cotidiana, considerando-a descartável, especificamente com ausência de valores éticos, onde o sujeito isento de sentimentos desaparece.
    Voltando a “santa inquisição” igual à ditadura – que a terra lhes seja pesada - foi pensando normosamente que surgiram as guerras justas, as guerras santas e as vitórias militares. Cruzes.
    Conhecido educador e psicólogo francês residente no Brasil, Pierre Weil, numa brincadeira com palavras indicou: na inflação de produtos no mercado, o estímulo à consumatose, que é a compulsão de comprar. A normose na educação via informática que submetida à consumatose, leva à informose. E não para por aí... Noves fora, penso que deveríamos nos preocupar um pouco mais com a energia do amor e da compaixão com alteridade, fazendo da vida íntegra mais um ato de solidariedade evitando equívocos que a Normose pode provocar, e em vez de uma vida, salvar duas.
    O entendimento de tudo que nos acontece, assim como de todas as coisas, se dá por etapas.
    O percurso da inquietude de cada experiência são sentimentos que não podem ser divididos com ninguém porque são únicos, indivisíveis. Suas formas não podem ser alcançadas por ninguém.

Deficiências Educacionais

Como pais, mantemos o inabalável sentimento que nossos filhos, serão eternamente crianças.

Sobre o indivíduo, René Zazzo, psicólogo francês, falecido em 1995, que deixou uma vasta obra sobre a psicologia da criança, observa deficiências nos sistemas educacionais de países francamente evoluídos, inclusive na própria França, no que diz respeito ao estudo do comportamento de crianças deficientes.

Foi dele um dos primeiros textos no mundo a definir oficialmente Psicologia Escolar como um campo específico de atividades de natureza psicológica.

Em uma das suas mais conhecidas citações, está a sugestão de que deveríamos interrogar um estudante de psicologia infantil para constatar que: “ele será capaz de recitar Piaget, Freud, Skinner e talvez Wallon. Mas ficará estupefato se você lhe pedir que descreva como é uma criança de três anos...”

Uma das principais razões, para que os pais obtenham sucesso com necessidades educacionais do seu filho autista ou não, é manter para si mesmos, um nível elevado de autoestima, pois ele é visto por seu filho como um bom modelo para ser imitado.

Com pais inseguros, sem autoestima, e cheios de dúvidas de sua capacidade ou de suas possibilidades de sucesso para o enfrentamento da síndrome, será impossível aproveitar-se da evolução na educação para desenvolver o seu filho deficiente.

Não se pode deixar passar em branco, que o filho recebe estímulos desde que é feto, tanto internos provenientes do corpo da mãe, quanto externos proporcionados pelo meioambiente.

Partilhadas as emoções da mãe com o feto desde os primeiros dias da gravidez, sabe-se da produção dos sentimentos positivos que favorecem o desenvolvimento do filho.

O senso comum para colocar nossos conhecimentos do ponto de vista bio-psico-sócio-espiritual é ter o firme propósito de informar a todos que nos lêem uma ação pedagógica, para que o resultado reflita-se no comportamento de cada um em relação aos deficientes, autistas ou não.

É o nosso desejo que uma fundamentação teórica supere o espontaneísmo, permitindo que o trabalho espiritual também se torne eficaz, sem dogmatismos que denunciem formas de educação como instrumentos de dominação.

Ser pai de um deficiente de qualquer matiz, a partir da maternidade e paternidade instinto, é alcançar a fase maternidade e paternidade sentimento, doação incondicional em direção da paternidade-maternidade, indissociáveis, numa síntese integral de instinto, emoção, sentimento, consciência e espiritualidade.

Quando se pergunta como se processa a interferência do perispírito do reencarnante na organização genética do corpo após a fecundação, Vianna de Carvalho elucida:

“O perispírito é o agente modelador dos equipamentos orgânicos, assim como dos delicados processos mentais, que decorrem das conquistas do Espírito.”

Quando se questiona arraigado no mecanicismo da ciência à raiva e a dor de ser pai de um deficiente, mental ou não, por que, logo eu, sem rever sua convicção sobre a realidade espiritual lhe impingindo reprovações, ainda não sabe que as provações enrijecem as fibras morais responsáveis pela ação dignificadora.

Ressalte-se também que os fatores genéticos, genes e cromossomos, bem como as “condições psicossociais e econômicas” contribuem também para a formação de “um quadro dos processos de burilamento moral-espiritual, resultantes de dispositivos individuais para a evolução”.

O processo educativo nos permite visualizar e nos propõe praticar, ao mesmo tempo, com os sentidos, com o intelecto e com a afetividade, procurando ampliar a capacidade perceptiva do autista e, portanto, elevar a sua sintonia.

O autista interage com o meio a partir da percepção que possui do meio, percepção essa em seus aspectos sensorial, intelectual e afetivo.

Essa interação ocorre tanto no sentido horizontal, ou seja, com o meio físico, social, como no sentido vertical, ou seja, com o meio espiritual.

Reiteramos que o deficiente é um Espírito que traz em si mesmo sua bagagem do passado (subconsciente) e, ao mesmo tempo, o "germe da perfeição", uma meta superior a atingir (superconsciente) e que, para evoluir, deve trabalhar no presente, usando as conquistas passadas, buscando a inspiração superior para construir seu próprio futuro.

As metodologias, a nosso ver, são apenas recursos.

Sempre! Ótimos recursos, necessários sem a menor dúvida, mas estão aí para nos orientar e servir sem interferir.

Muitos especialistas das áreas das neurociências, professores e técnicos, já perceberam que seus alunos têm condições de se apropriarem de conhecimentos pedagógicos e procuram avançar com eles rumo a conhecimentos mais complexos, do ponto de vista das deficiências mentais ou síndromes que são portadores.

No entanto, alguns céticos, por teimarem em não acreditar, envidam imensos esforços para que não se saia da regras estabelecidas pelos padrões conservadores superados pelo tempo, Senhor da Razão.

Preocupam-se apenas com o desenvolvimento de habilidades que permitam aos alunos/pacientes operar socialmente, trabalhando dentro de critérios de funcionalidade que apenas limitam as possibilidades dos alunos se desenvolverem.

Não levam em consideração afinidades ou desajustes entre os seres, necessidades de realização e autorrealizações ético-morais, unindo-os ou não, de forma a darem cumprimento aos imperativos, responsáveis pela evolução individual.

É fato que não precisamos ser donos de “mente brilhante” o filme, como John Nash, o matemático e professor, Prêmio Nobel de Economia para sabermos da extrema fragilidade de um ser humano.

Não precisamos entrar no mundo de uma pessoa assim porque não temos a mínima noção de como uma patologia daquele tipo afeta uma vida do deficiente mental ou não, autista asperger ou não, e da sua dependência.

Um pouco de vontade e bom senso, basta para entender que ficamos totalmente dependentes, afora o discernimento de cada um, após a descoberta ou o diagnóstico dramático, para descobrirmos que também precisamos de amparo, não só terapêutico e espiritual, mas de treinamento e preparação para atender as mínimas necessidades daquele que é uma extensão da nossa própria existência.

Não devemos esquecer que os estudiosos e os pesquisadores destes assuntos, mesmo que reducionistas, timidamente nos advertem que acima de tudo, o amor ainda é fundamental.

Esta tensão atinge primeiramente a mãe, que poderá ficar assustada, triste, depressiva, cansada, e até infantilizada com a nova responsabilidade.

O pai, também, só que de maneira menos visível, e sua ansiedade em face às mudanças, com freqüência atingirá as relações do casal, a vida de cada um dos parceiros, e as mudanças que ocorrerão.

Sem a preparação adequada nenhum terá discernimento para enfrentar a brutalidade da situação futura.

No entanto, o pai poderá oferecer à sua mulher, sua parceira, ao seu filho deficiente, autista ou não, o maior de todos os confortos, que são as suas ações acontecendo de forma tranqüila, acalmando a mãe, diminuindo seus temores a apreensões do dia-a-dia e transmitir segurança de toda ordem para o futuro.

Cada autista traz um repertório inato, de preferências e aversões. Cabe a mãe essencialmente encontrar a melhor forma de ampará-lo nas suas dificuldades.

Os pais devem ter a consciência e saber que o excesso de zelo nunca conduzirá o autista para uma educação que dê bons resultados, assim como acontecerá com o descaso.

Por ocasião da exibição de uma novela na televisão, o personagem autista foi personificado com tamanho lirismo, era tão lindo e simpático que freqüentemente em discussões afins, encontrávamos pessoas expressando vontade de ser “autista”.

Era bonito ser autista. O Autismo ganhou status equivocado.

Alguém contou a história errada para o autor da novela e o Autismo está pagando pelo estigma até hoje, pois as pessoas lembram-se da palavra e ligam imediatamente aquele personagem.

Cada pai, cada mãe de autista, cada responsável, tem que resolver suas próprias nuances autísticas, eventuais conflitos aos pontos de vistas adversos e conflitantes, vigentes na sociedade em que vivemos, e devemos fazê-lo de acordo com os ditames da nossa própria consciência.

Devemos nos convencer que, o futuro dos nossos filhos, autistas ou não, depende da educação e dos exemplos que dermos a eles, que dependem das condições que nós pais criarmos.





Compromisso Diário de Maneira Inocente

Há mudanças que acabam transformando nosso dia-a-dia exigindo maior esforço e tempo na adaptação, com impactos sobre as tarefas que executamos. É por isso que algumas vezes não conseguimos manter alguns compromissos.

Um aspecto interessante das tarefas de cada um de nós, é a forma como elas acabam influenciando a forma como passamos pelas transformações da vida, decorrentes da nossa necessidade de aperfeiçoamento, para encarar a vida de forma mais abrangente. São situações que se transformam em lições, levando-nos a entender diferentes aspectos de nós mesmos e do mundo ao nosso redor.

Ensina um filósofo, que aqueles que fazem o bem, fazem-nos em grande quantidade: ao provarem aquela satisfação, sentem que é suficiente, e não querem ter o aborrecimento de se preocupar com todas as conseqüências; mas aqueles que sentem prazer em fazer o mal, são mais esforçados, estão sempre atrás de nós até o fim, nunca estão tranqüilos, porque têm aquela idéia fixa que os corrói.

Nossa pretensão de querer construir um mundo melhor, a necessidade de aprender a pensar até as últimas conseqüências, a fim de descobrirmos se porventura aquelas ações que planejamos não poderão provocar maiores males do que bens, vindo talvez a prejudicar alguém injustamente, ou a nós mesmos.

Sabemos que podemos construir alguma coisa, sem destruir outra. Na realidade nada pode se tirar do nada. Tudo que produzimos necessita algum recurso. Não é razoável que empreguemos nosso esforço e nossa capacidade em algo na construção de alguma coisa de menor valor, se para isso precisarmos destruir ou consumir alguma coisa de maior custo ou valor.

Não é assim.

Uma das condições que precisamos satisfazer para identificar o bem, consiste como é óbvio, em avaliarmos, previamente, as suas possíveis conseqüências, nem só das imediatas, mas sim devemos realizar também o exame, criterioso e exaustivo, de todas as conseqüências que poderão ocorrer, tanto no futuro mais próximo, quanto no mais distante.

Fazer o bem de maneira inocente, desavisada, ingênua ou imprudente pode converter-se numa armadilha, que poderá nos levar diretamente à infelicidade e à desgraça, ou que poderá provocar a infelicidade e a desgraça de terceiros, inclusive daquelas pessoas às quais estamos tentando fazer o bem.

É o que acontece quando exageramos na bondade para com os outros, como, por exemplo, quando mimamos um filho, a ponto de transformá-lo num indivíduo genioso, egocêntrico e profundamente infeliz, assim como causador da infelicidade de outras pessoas.

Aqui, devemos contrariar o filósofo. Devemos, sim, ter o aborrecimento de nos preocuparmos com as conseqüências das nossas ações, mesmo quando temos a absoluta certeza de que estamos praticando atos da mais admirável bondade. Não podemos esquecer de tomar este cuidado.

A verdade é que só Deus poderia afirmar que praticou boas ações. Nós, humanos, podemos alcançar altos graus de bondade e sabedoria, mas nunca seremos perfeitamente bons e sábios.

A impermanência do mundo material, que atinge mesmo nosso próprio corpo físico, que se transforma incessantemente, força-nos a não nos apegarmos a esta ou aquela circunstância, força-nos a viver o que vier pela frente e a sermos senhores de nós mesmos independentemente dos fatores externos.

O espírito eterno - que em essência todos nós somos - não pode e não deve estar preso ao transitório, deve encontrar a felicidade não no fato de possuir algo, ou estar em algum lugar ou posição, mas sim em "ser".

E "ser" significa agir de forma a vivenciar a eternidade agora mesmo, significa atuar de conformidade com os princípios em que acreditamos, significa fazer em cada instante de vida o melhor que pudermos dentro do ponto de compreensão que já atingimos.

O Espiritismo é um caminho para atingir este equilíbrio interior, não é o único, existem outras filosofias e religiões que vividas sinceramente levam aos mesmos resultados, mas ninguém pode negar que é um dos mais coerentes e claros.

Assim, existem mudanças na nossa vida cotidiana, mudanças que encaradas da forma correta, pela perspectiva do ser eterno, sempre somam algo de melhor a nós mesmos e aos que nos cercam, e longe de nos apegarmos aos cenários que se vão, devemos nos adequar aos novos cenários que a vida nos apresenta, sob a direção extraordinária desta realidade maior a que chamamos de Deus.

Por outro lado, também sabemos que Deus escreve certo, às vezes por linhas tortas. O processo da existência é um bom exemplo disso, quando enfrentamos determinados problemas que às vezes julgamos injustos.

De qualquer forma, tenhamos a fé necessária para remover as montanhas de nossas imperfeições do dia-a-dia e aguardemos o tempo, que é o melhor remédio para tudo.





quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Mestres de Ofício - Silêncio Eloquente

Numa feira de produtos artesanais fui abordado por uma artesã, que ao me ouvir perguntar pela engenharia das tramas de alguns modelos em alguns trabalhos expostos, contou-me entusiasmada sobre a descoberta daquele tipo de ponto de crochê, de origem portuguesa, aplicado nas roupas da moda no tempo da monarquia no Brasil.

Minha curiosidade obrigou-me a ouvir sobre um assunto que só conhecia porque minha mãe e minha mulher são praticantes daquela arte. Foi agradável ouvir aquela exposição.

O sentido daquela história ia muito além do rosto desprovido de vaidade, angelical e brilhante daquela artesã, sobre cada ponto que descrevia. Representava uma doação de gestos físicos, armada de paciência e amor, tentando resgatar artes para contribuir com o renascimento da cultura de um modelo de crochê no seu país.

A peça em crochê apresentava um impressionante volteio dos fios de lã para o ponto alto, que ao passar pelo mágico movimento do dedo polegar, gerava os pontos baixos, curtos, elegantes e distantes entre si, mas ligados por uma espécie de coluna vertebral, solitária na sua função de mestre de relacionamento, ligando as extremidades, fazendo uma pinça com os demais e a conseqüente ligação, formando uma estola artesanal de indescritível beleza.

Para que eu entendesse o mecanismo, ela pediu minha atenção para as funções do dedo polegar, que sem ele, em nossas atividades comuns, inúmeras coisas não poderiam ser feitas, dizia.

Entre elas não seríamos capazes de pegar um copo de água para beber, assim como, fazer o sinal de positivo ou negativo.

Além do mais, ele tem a extraordinária propriedade de ser o único que pode assinar pelo analfabeto. O polegar é o mais forte dos dedos. Sem ele, seríamos incapazes de pegar uma agulha.

É num lance praticamente invisível do dedo polegar, que o giro das agulhas do crochê, faz o dedo indicador ter a função insubstituível de lançar o emaranhado de lã organizado no caos, sobre o grampo, uma peça de sustentação dos fios, que foi aperfeiçoada para o uso específico de viabilizar o renascimento daquele modelo de crochê do tempo da monarquia, por iniciativa e criatividade da artesã, graças a uma fotografia de um quadro da princesa Izabel que revelava aquele adereço nos seus trajes.

Colocados em outro plano, os fios crochetados surgem dos encaixes e das dobras como parceiros que se formam num conjunto de movimentos corporais, impondo autoridade através da beleza do emaranhado de cores, que ao completar sua metamorfose surge como adorno complementar de roupas femininas que primam pela elegância e bom gosto, se materializado de um verdadeiro ato de amor.

O dedo indicador é que nos mostra os rumos que devemos seguir. É o nosso socorro quando nos orienta nas entradas e saídas. É o único que só dói quando bate. Além de servir para resgatar artes seculares, é o maior colaborador do polegar na arte do crochê, é o dono da verdade, pois com ele é que pedimos e impomos silêncio.

Sem ele nossa autoridade se esvai, mas também pode nos transformar em mal educados, arrogantes e estúpidos quando o colocamos abruptamente em riste.

O dedo médio não se desvia do nível das articulações, pois responde pela beleza das mãos. É sócio do indicador para o folheamento de livros, revistas e suporte para a escrita. Presta ajuda a todos os seus parceiros, por isso merece o carinhoso tratamento de: pai de todos.

Já o anular é o nosso dedo nobre. Nele é que são colocadas as honrarias. Nas formaturas, ele recebe o anel de graduação. No casamento se realça recebendo as alianças e as bênçãos.

O dedo menor, também conhecido por minguinho, o quinto da nossa mão não deixa por menos o seu valor, pois contribui para a harmonia do conjunto. Houve época em que ele quis sair do sério. Deixou crescer a unha e por sua vaidade exacerbada foi punido. Como castigo tem a missão de limpar a sujeira da unha dos outros dedos. Foi condenado a tirar cera dos ouvidos, limpar as inoportunas badalhocas grudadas no nariz e coçar os mais recônditos lugares do nosso corpo.

Mesmo assim não se humilha, não admite discriminações, e na medida do possível se nivela aos demais, pois é o único que permite que nossas mãos alcancem as teclas dos extremos dos instrumentos onde as notas geram peças musicais de inestimável valor e ternura.

É de se perguntar se alguma vez demos à devida importância ao conjunto dos dedos, pois eles é que formam as nossas mãos.

Com nossas mãos tudo fazemos, nos manifestamos, escrevemos, fazemos crochê, fazemos cirurgia, acariciamos e nos identificamos, mas em se tratando de dedos, tive que me socorrer da sua fisiologia e sendo assim não poderia deixar de fora os estereótipos muito comuns em autistas.

Quando encontrei aquela iluminada artesã, captei que das suas mãos, os seus dedos emanavam curvas de energia boa, e que cada ponto do seu crochê era uma união amorosa de um gesto motor-perceptivo-intuitivo.

Os estereótipos, não são gestos mecânicos ou impulsos elétricos das mãos ou dos dedos que devem ser tratados de maneira isolada, fio a fio. Na nossa ousadia pensamos que os dedos são provas de que tanto um autista como uma artesã crocheteira, podem expressar a compreensão de que a sua serventia é uma divina expressão corporal.

São expressões silenciosamente eloquentes, reveladas através de um emaranhado de fios da arte de fazer crochê, que estes movimentos dos dedos, mestres de ofício, autistas ou não, também podem fazer a luz brilhar, recebendo como paga apenas prazer puro pela aplicação do sentimento de amoroso dever cumprido.

Vivências Autísticas

Meu filho caçula que confirmou ser o companheiro que o nosso autista precisava, mesmo não sabendo, nem onde, nem quando - chegou-se a mim carinhosamente e perguntou: pai sabe o que é Dada, ou Dadaísmo?

Encurralado por não saber, não tive tempo nem de por em prática uma estratégia de solução para a resposta, quando ele começou a dissertar:

Dada, ou Dadaísmo, pai, foi um movimento antiarte surgido em 1915 na Suíça, e que fez do deboche uma atitude filosófica, onde a proposta era a construção de algo. A negação de qualquer funcionalismo que a arte do convencional, dando sentido geral a tudo. Satirizando os artistas demonstravam uma revolta cultural e intelectual política.

As produções do Dadaísmo receberam a denominação de "ready-made" (arte com objeto já pronto), nas quais se destacaram vários artistas.

Meu bom Jesus! Não é possível, eu pensava, sentindo meus olhos arregalados. Agora tenho um filho versado em artes. Ou antiartes?

Entre a minha ignorância e o saber do meu filho eu estava chocado. Levei um verdadeiro baile de conhecimentos sobre Dada ou Dadaísmo.

Já ele, com uma arrogância de guerreiro infante orgulhoso por ter vencido uma batalha, observando o inimigo imobilizado com a ponta da lança no pescoço, voltou-se à porta e foi saindo devagar me deixando envergonhado, sem saída.

Ao sair, ainda brandiu sua língua ferina de saber falando: sabe pai, esse negócio de Dada ou Dadaísmo, é “pura arte autística”. Você também pode ver lá no museu que a escola nos levou.

Ops!

- Porque você diz que o que você viu lá é “pura arte autística filho?”.

- Ora pai, tem algumas pinturas expostas lá no museu, que são parecidas com as pinturas e desenhos do Dani.

- Têm algumas gravuras feitas com giz de cera e colagens que são praticamente iguais as que ele pinta e peças de artesanatos que faz.

Pasmo, pensei devagarzinho: bem feito, que lição merecida!

Como ninguém é obrigado a saber tudo fui até o museu, em busca de conhecimentos sobre o Dadaísmo.

Era uma exposição de colagens, fotos, pinturas, desenhos, gravuras, esculturas e publicações que ilustravam o desenvolvimento e o amadurecimento do Dadaísmo e do Surrealismo no século XX.

Entre os mais notáveis surrealistas estava Joan Miró, Joseph Cornell, Meret Oppenheim, Wifredo Lam, Remédios Varo e Yves Tanguy. Francisco Goya, Willian Blake e Paul Gauguin, entre outros, que se constituiriam nos precursores das vertentes que desaguaram na arte contemporânea.

Você que está me concedendo o amor da sua leitura, pode imaginar como eu estava me sentindo no meio daquelas obras de artistas dos dois movimentos, e que a estranha coincidência oferecia uma excepcional abrangência como registro e comprovação de teses autísticas que defendo, começando justamente na minha casa conversando com meu filho caçula...

Surpresa indescritível!

O movimento do Surrealismo procura estimular a imaginação, expandir os limites da consciência, absorver o inconsciente e o reino psicológico do irracional como o que se revela em alguns sonhos.

Os surrealistas encontraram exemplos de impulsos psicológicos do maravilhoso e do sobrenatural, em pinturas fantásticas dos séculos anteriores.

Ver e entender Dadaísmo e Surrealismo significa entrar no mistério da arte em que, pela primeira vez, a questão racional e conceitual sobrepuja a habilidade física e formal.

Ambos tecem uma filosofia própria e um estilo de vida especial para os seus membros.

Em cada desenho, traço, colagem, foto, pintura, gravura, escultura que eu vi na exposição, vislumbrava um trabalho do meu filho autista.

As artes daqueles artistas são chamadas de dadaístas e surrealistas.

A diferença ou semelhança do estilo de trabalho das artes do meu filho é que são chamadas de coisas de autista.

Saí do museu com as maçãs do rosto assadas, de tanto esfregar o lenço enxugando lágrimas geradas por forte emoção e pelo extraordinário encontro com imagens, que um dia eu julgara serem produtos de marcas psicológicas perturbadoras do meu filho.

A outra grande emoção também foi descobrir que o meu filho caçula distinguia e sabia do valor consciencial do Autismo, mesmo com o tema jamais ter sido discutido com ele, além do contágio pelas atitudes do irmão ser portador da síndrome.

Tenho uma amiga na Comunidade Autista do Brasil, que fez pós-graduação em Arteterapia por que, como artista plástica, sabe do poderoso instrumento pedagógico que é a arte.

Ela tem um neto autista. Ela é um destes espíritos missionários que eu chamo de “mãe excepcional”.

Ela entende arte como um elemento importante para desenvolvimento da autoestima e da criatividade, ambos os elementos primordiais para uma vida... Feliz!

Ela sente que os autistas precisam entender regras sociais sim.

Precisam aprender os conteúdos pedagógicos da escola sim (e as atividades artísticas também podem ser preciosas auxiliares nesses aprendizados), mas, mais importante ainda: precisam aceitar a si próprios, e precisam ser estimulados a serem criativos.

Por que os autistas precisam ser ensinados a serem felizes, afirma!

Pensamos que a arte dos autistas complementa nossa orientação, pois é sugestivo e em sua maioria é de conteúdo bonito, exigente, inovador, solidário e afetivo.

É extraordinário como o autista faz bem essa conexão entre arte, reflexão, produção textual, sensibilidade, inserção, utopia...

A beleza das artes dadaísticas carregadas de influências, ressurgem um século depois de acontecerem, nas artes autísticas que nossos filhos pintam, desenham e esculpem, com ares impressionistas, trazidos das vanguardas surrealistas.

Essa história é um alerta para filtrarmos o que enviamos para nossa mente e perguntar se ela não distingue o real da fantasia, o certo do errado, ou simplesmente grava e cumpre o que lhe enviam como é convencionado para os autistas?

Observem os "artistas" que vocês têm em casa disfarçados de autistas.

Seriam surrealistas ou dadaístas?

Seriam autistas aqueles artistas?

Discriminação e Preconceito

Preconceito é a idéia.

Discriminação é a idéia colocada em "prática".

Um exemplo: em algum momento você pode não gostar de uma pessoa com determinada característica, feia ou bonita, bizarra ou estigmatizada, esse é um preconceito.

A partir do momento que você passa a insultá-los ou qualquer outro tipo de atitude pejorativa, é a discriminação.

Aprendemos que o preconceito leva à discriminação, quando deficientes da mente, como os autistas, são considerados inferiores e excluídos por aqueles que se consideram “melhores” como acontece em divulgações por jornalistas, principalmente por autoridades e políticos midiáticos.

O preconceito e a discriminação variam pela maneira com que cada cronista, colunista, apresentador de rádio ou televisão se expressa e, principalmente quando exterioriza o desprezo por determinados grupos portadores de alguma deficiência, da mente ou não, encontrado em determinada situação.

Discriminação é um conceito mais amplo e dinâmico do que o preconceito.

A discriminação pode ser provocada por indivíduos e por instituições, enquanto que o preconceito, só pelo indivíduo.

A imprensa, sem generalizar é claro, principalmente a televisão que precisa manter a sanha comercial mascarada de imparcialidade, não se preocupa com o conhecimento da causa que leva a reportar.

Um jornalista, em nome da ética profissional, muitas vezes pressionado pelo manual de redação e ainda o fantasma do desemprego, embora bem intencionado, acaba cometendo equívocos lamentáveis por falta de conhecimento, partindo do princípio de que a sua fictícia missão de bem informar, o impede pelo menos de saber o significado do que está falando.

Até onde a internet atingiu ainda se fala da Suzan Boyle, a solteirona escocesa de 47 anos, desempregada, desleixada e desmazelada, que morava sozinha com seu gato e mais, que nunca teria sido beijada, tornando-se um recorde de audiência indireto do canal de televisão que a revelou, no mundo inteiro.

Como assisti ao vídeo várias vezes, observei que ela ao responder sobre sua idade, disse também que tinha alguma coisa a mais naquele corpo, e balançou, pois não chegou a rebolar, provocando o espanto inicial aos seus julgadores e o início da avassaladora onda de repercussão de audiência mundial.

O exercício de pensamento que fiz a respeito sobre o que Suzan tinha a mais no corpo importa a mim, mas questiono o modo como o mundo que leio e vejo revelou e continua debatendo até o esgotamento, seu pensamento a respeito do seu biótipo e perfil, julgando aparências.

As discussões de todos os tipos, até onde acompanhei, tiveram como principais comentários sobre a caloura escocesa, já como vitima de preconceito, idade e aparência, os seus estereótipos, até com carimbo de alguns jornalistas e comentaristas bem intencionados exemplificando que nunca devemos julgar um livro pela capa.

Julgamentos rápidos são muito perigosos. Suzan diz que “não há nada que se possa fazer a respeito, é o modo como as pessoas são e como pensam”.

A Psicologia diz que os “estereótipos são vistos como “um mecanismo necessário para entendimento da informação".

Por uma inexplicável falta de conhecimento, como é o que acontece especificamente com o “autista”, que em nome da cultura do “achismo” algumas pessoas públicas, da imprensa e principalmente no meio político, por achar a palavra incomum, sem ao menos buscar a realidade do que é, falam, rotulam e citam pejorativamente provocando ferimentos difíceis de cicatrizar em quem nada tem a ver com a sua desinformação.

Rotular qualquer pessoa, não importa quem, representa ignorância, é um caso de covardia e crueldade.

Devemos aprender levar espiritualidade para nossa vida, antes que modismos descartáveis eliminem até os conceitos de família.

Barack Obama contrariou os estereótipos negativos a respeito dos negros, mas algumas pessoas contrárias a qualquer tipo de inclusão social, já estão criando um subtipo de negros - profissionais negros - em vez de contestar o estereótipo geral, neutralizando noções preconcebidas como fizeram com caloura Suzan Boyle.

“A deficiência, não, faz parte da pessoa” porque "se uma pessoa é bonita ou simpática, as outras riem das piadas dela, e interagem com ela, de uma forma que facilita a interação social". "Se uma pessoa não é atraente, é mais difícil conseguir todas estas coisas porque as outras pessoas não a procuram".

A caloura já passou a categoria de profissional. Outros discriminados por situações parecidas foram extintos do meio artístico.

Agora as preocupações do mundo se voltam para a influenza H1N1, mais conhecida como "gripe suína", quem em princípio, no Brasil seus efeitos já prolongaram período das férias escolares de julho em mais 15 dias, por culpa do inverno.

O porco que nada tem a ver com resfriado ou gripe, em muitos países está deixando de ser alimento.

Está sendo discriminado, banido ou morto.

É preconceito.

Retrospectivas Atuais do Autismo

Em 1985, li o livro: Década de 80 – Autismo – Uma atualização para os que atuam na área: do especialista aos pais, escrito pelo especialista em psiquiatria infantil e do adolescente Ernest Christian Gauderer.

Se bem me lembro, na época foi o primeiro livro sobre o tema, escrito por um brasileiro.

Eu já reclamava muito da falta desse tipo de literatura, pois no Brasil tinha só uma meia dúzia de autores estrangeiros traduzidos e como já tínhamos uns seis anos na batalha contra a então definição resumida do Autismo, pela Society for Autistic Children dos EUA em 1978, três anos depois do nascimento do meu filho quando ele fora diagnosticado autista por uma corajosa psicóloga, devidamente confirmado pela psiquiatria.

O livro foi de grande valia, pois pouco ou quase nada existia a respeito do autismo, com exceção das publicações estrangeiras

Em 1993, novamente o doutor Gauderer, publicou mais um livro: Autismo e Outros Atrasos do Desenvolvimento, no qual reuniu artigos de especialistas com o objetivo de informar sobre esse distúrbio no desenvolvimento, atualizando profissionais de saúde e educação, proporcionando um tratamento mais eficaz e atual a crianças, adolescentes e adultos autistas. Tanto o especialista quanto o leigo que desejassem se informar sobre o assunto puderam se beneficiar com esse trabalho.

Não combinamos nada, mas neste mesmo ano eu publiquei o meu livro, Vida de Autista – Uma saga real e vitoriosa contra o desconhecido, mesmo porque o doutor Gauderer era um psiquiatra especialista em autismo, e eu, apenas pai de autista que obtivera vitórias altamente significativas contra a síndrome.

“Quanto maior a nossa ignorância profissional, maior será a nossa prepotência, onipotência e certeza de cura. Esta postura permitirá furtarmo-nos de sensações de insegurança, medo e ansiedade, frente àquilo que não sabemos. Tornamo-nos radicais e senhores da verdade.” Escreveu o doutor Garderer.

Já eu, que ainda não tinha lido o livro dele, escrevi no Vida de Autista: “Não há nada mais trágico no mundo que uma pessoa manter pensamentos de limitação sobre outro ser humano. Um pensamento de imperfeição, projetado sobre uma pessoa sensível, restringe algumas vezes essa pessoa. Durante muito tempo esses resultados são calamitosos. Aprendemos a dar a cada pessoa que nos cerca, em qualquer ocasião, sua completa liberdade mental.”

Dia desses estava conversando com uma amiga, mãe de autista. Entre veio de antes e vai de agora, eu dizia para ela que, devíamos cobrir nossas mágoas e rejeições sofridas com camadas e camadas de amor, tipo a pérola, já que há pouco tempo atrás nossos autistas, além de encapsulados, até comparados com ostra foram. Poucos se lembram disso e muitos preferem esquecer-se da comparação até por desconhecer a grandeza da analogia.

Com rezas, benzimentos, raiva, liminentos, doses homeopáticas, alopáticas, florais e chazinhos, broncas, dúvidas, discussões, tratos e contratos com “átras, istas, ólogos, eutas, e etc, etc... Suportamos as dores... Cansamos... Mas não desistimos.

Entendemos que ser autista, significa um verdadeiro recomeço para que o estágio terreno seja um tempo de paz e alegria no coração de quem o tem.

Vida de Autista ainda é um jovem livro, adolescente que além de edições contínuas, resiste catalogado nas livrarias. Foi premiado pelo Movimento Orgulho Autista Brasil, como livro destaque, o que enche de orgulho este pai/autor, sua família e o próprio personagem principal, que no seu singelo discernimento autístico demonstra o sentimento da emoção ao saber do ocorrido, embora a resistência de alguns setores profissionais continuem teimando pela limitação sentimental mental do seu semelhante, autista ou não.

A atualidade do livro Vida de Autista é tão impressionante quanto os livros do doutor Gauderer.

Nada mudou no front, como diz minha amiga, ou nada se deseja que mude no front.

Nessas ocasiões costumamos repetir que continuaremos iguais ao passarinho, de gota em gota tentando apagar o incêndio da floresta fazendo a nossa parte.

Ficando feliz com todos aqueles que fizeram e fazem parte do nosso universo autista, e quem mais chegar, saboreando nos lábios mais uma lágrima doce.

Autismo Quebrando Preconceitos

Com iniciativas destinadas a pessoas com autismo, cuidadores, das áreas profissionais, técnicas e afins, estudantes, instituições de ensino e universidades, foram promovidas inúmeras ações para celebrar o Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo, instituído pela ONU em dezembro de 2007.

Na Europa, embora recém-nascido, o Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo, teve intensa mobilização, como por exemplo, em Portugal, França e Alemanha, Suécia e Inglaterra, onde federações e associações afins promoveram encontros para os interessados, inclusive patrocinados por iniciativas oficiais e privadas interessadas na área.

É preciso destacar que a voz de milhões de incompreendidos autistas foram ouvidas nesse dia histórico que culminou com a mensagem universal proferida pelo Papa, instando todas as comunidades religiosas e ativistas, a fazer mais pelo autismo em todo o mundo, mesmo que a crise global se aprofunde, e que o Vaticano forneça orientações sobre o modo como as igrejas devem se relacionar com as crianças e adultos deficientes.

E mais...

O presidente dos EUA, em carta divulgada pela Casa Branca, determinou o desenvolvimento de um plano no âmbito da saúde, com o objetivo de garantir a acessibilidade de pessoas com deficiência, oportunidade de emprego, luta contra a discriminação, inclusão de alunos com necessidades educativas especiais, dedicando um capítulo específico para atenção de pessoas com autismo.

Enquanto isso no Brasil...

O presidente da República não pronunciou sequer uma palavra em favor do Dia Mundial da Conscientização sobre o Autismo e no Dia Internacional do Deficiente para que principalmente organismos governamentais pudessem se conscientizar, comprometer-se e fazer com que programas de ação conseguissem modificar as circunstâncias de vida dos portadores de necessidades especiais no Brasil, como está acontecendo em todo o mundo.

É compreensível, pois se perguntado sobre tema provavelmente responderá que nada sabia.

O Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo ainda não entrou para calendário oficial.

O ministro continua preocupado com a agenda abortista do Ministério da Saúde, até patrocinando documentário com depoimentos favoráveis à legalização do aborto e mais preocupado ainda, em manter a portaria que impede o repasse de verbas para consolidação dos serviços necessários para o atendimento dos deficientes, autistas ou não.

Numa abordagem dinâmica, manifestações populares celebraram e atraíram a atenção das autoridades para promoverem ações de cuidados à tragédia da síndrome, com fatos de real grandeza como o ensejado pelo Movimento Orgulho Autista Brasil, premiando empreendedores e abnegados no sentido de sensibilizar parlamentares e autoridades governamentais, no encaminhamento de leis e projetos que possam viabilizar melhores condições de vida para o autista.

Embora hoje já possamos agradecer um pouco do que já foi conseguido de leis, decretos e benefícios já em favor do autista, pelo esforço de deputados, senadores e abnegados, embora com inexplicável resistência de parlamentares e até de governador para o seu cumprimento, o autismo inspira e entusiasma, pois motiva para com eles aprender.

Nenhuma forma de quebrar preconceitos é melhor do que tentar entender o autismo, conhecendo autistas e aqueles que os cuidam.

Isso já está acontecendo, mesmo que embrionariamente.

É necessário desfazer a imagem de que o autista ensimesmado é uma tese, pois uma tese só se defende quando se revela sua existência, defendendo seu ritmo, que muitos imaginam não ser possível.

Os avanços na discussão sobre o autismo dependem de pequenas ações particulares.

Podemos repetir a manchete de um jornal que disse: “Só ONGs se lembram dos autistas.”

Ainda que tardiamente, nossos governantes também podem lembrar.

Ainda há tempo e não dói

Retomada - Cotidiano da Esperança

    Só para lembrar, ou não esquecer, estou retornando a esta minha tarefa, depois de tantas surpresas que a vida nos oferece todos os dias, algumas agradáveis e outras não, que aceitas, me forçaram alongar a volta dos meus amadores escritos aqui, embora desejando escrever todos os dias.

    Sabemos que nem tudo o que nos acontece na vida é definitivo, não importa a dimensão em que estejamos principalmente se estivermos ofertando sentimentos de compreensão para ela, como amoroso exercício do nosso coração.
    Educar, por exemplo, é um exercício que traz compensação benéfica imediata para aquele que ensina e muito mais para aquele que aprende.
    O resultado desse trabalho surge justamente naqueles que estão abertos ao conhecimento por se descobrirem úteis.
    Como seres em constante evolução, ninguém tem obrigação de saber o que se passa na minha cabeça, ou o quanto já estudei para chegar ao nível de conhecimento em que estou.
    O surpreendente mesmo é descobrir a toda hora o “só sei que nada sei”, aprendendo junto para depois da somatória, fazer a divisão para se chegar a um denominador comum, pois o tempo cruel já me fez compreender que não devo adiar compromissos.
    Há muito tempo já estávamos com a cultura cristalizada de que o ano só começava depois do carnaval, isto é: lá pelos idos de março, segundo os romanos.
    Como o Brasil é também o país do imponderável, as leis canônicas fizeram com que ele acontecesse nos primeiros dias de fevereiro, surpreendendo a todos, mas, proporcionando a grata surpresa de que ninguém morre por trabalhar alguns dias das folgas que o calendário antecipou.
    O país começou a trabalhar antes.
    Cobranças de parte a parte, o governo continua com suas explicações inócuas sobre o que não ia fazer de ruim, mas fez. A manutenção da dependência assistencialista oficial para milhões de brasileiros que podem trabalhar deve continuar, aumentando a relação de dependência, que no amanhã deverá cobrar a altos preços a retórica ilusória.
    A competição política está ganhando cada vez mais vulto, pois não tolera traições, nem esquecimentos e no tempo certo realçará seus defeitos, correndo riscos de que não haja diálogos fortes que assumam uma postura de tolerância prejudicando a todos.
    O ano começa com um imenso déficit de amor.
    As relações entre pessoas se apresentam cada vez mais difíceis. Pode ser necessidade de enquadramento de um que sempre esteve ao lado do outro, mas ainda não satisfez seu desejo, ou não aprendeu o que é carinho ou afetividade.
    Por mais que se queira mostrar uma imagem diferenciada, as pessoas reprimem a arte da convivência que só aumenta os desafios acentuando os desníveis existenciais com reais diferenças.
    Tudo é indefinição.
    Esquecemos que somos almas afins nos degraus evolutivos. Confiamos nos outros, mas com restrições sem que haja um espaço em que prevaleça o coração.
    Ora veja meu caro leitor ou cara leitora, você deve estar se perguntando com que compromisso que eu voltei? O que será que eu estou querendo dizer?
    Quero dizer que em mais este ano o esforço deve ser de cada um, mesmo sabendo da existência de uma imensidade de grupos que podem ajudar a iluminar os caminhos, mas, além de serem poucos não sabem ainda a magnitude da obrigação que assumiram e a luz que tem.
    O Juiz Maior fala do princípio da diferença entre o velho e o novo, entre o forte e o fraco, mas nós ainda não entendemos que devemos habilitar estas pessoas para enfrentar os desafios que o país e a vida oferecem sem que tragam constrangimento para alguém.
    Só Ele sabe o que nos reserva o dia de amanhã.
    Cabe a nós tolerar e superar as diferenças que tendem a ser superlativas, quando intelectuais ou financeiras, por falta de atenção as cobranças naturais que ocorrem em detrimento ao amor que se solidifica nas afinidades e igualdade entre pessoas.
    Feliz 2010.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Mau Uso da Palavra




   Portugal 1 x Brasil 0
   De repente o gol inesperado.
   Portugal saiu na frente.
   A conferência de líderes parlamentares de Portugal adotou a recomendação para que no debate político, os intervenientes não mais se acusem uns aos outros de autistas.
   Essa recomendação foi adotada na Assembléia Nacional portuguesa, por unanimidade, estabelecendo que os políticos não mais se acusem uns aos outros de autistas, principalmente fazendo da síndrome uma arma política para depreciação de pessoas.
   Politicamente correto, pois parece simples porque foi em Portugal não é mesmo?
   Não. Não deve ter sido tão simples assim, já que no Brasil isso ainda não aconteceu porque além de difícil, nesses assuntos de discriminação e preconceito o jogo por aqui é duríssimo por aqui e sempre tem prorrogação.
   O político brasileiro, sem generalizar é claro, orientado para usar propaganda enganosa, corrompe e distorce as palavras de acordo com o oportunismo que lhe convém.
   O mau uso da palavra autista aumentou ciclicamente a partir da síndrome da corrupção que assolou o atual governo, quando políticos que não perdem tempo para falar mal de outras pessoas, no final se perdem em suas próprias palavras, sem saber que estão atingindo gravemente a quem nada tem a ver com as suas atitudes recrimináveis, causando traumas e danos irreparáveis.
   Se a questão é falar mal de alguém ou de alguma coisa, que nem sabe o que falou, para benefício próprio, não é preciso pensar que se está acima de tudo.
   Sem querer ser mágico ou adivinho, esse evento no âmbito político português poderá ser uma espécie de desafio para outros países começarem o mesmo procedimento.
   Imagino que minhas parcerias das lides autísticas, começam a pensar que não perderam tempo em bater sempre na mesma tecla, combatendo, brigando, esclarecendo que o mau uso da palavra autista, estava sendo usado para colocar defeitos na vida e na conduta dos outros, favorecendo o estigma da discriminação e do preconceito contra o portador da síndrome.
   Confesso que já estava cansado, mas nunca perdi a esperança de que um dia o vento poderia começar a soprar na direção do autista para este conquistar seu lugar no contexto de ser bem aceito na vida, pelo menos defendido, mesmo que contrariando regras obrigatórias em favor de todo ser humano.
   Quem sabe esse vento sopre até encontrar o ponto de equilíbrio para chegar ao caminho que não sabe, não lhe interessando o outro extremo, pois os autistas tendem repetir os seus estereótipos fora do contexto político ou da cultura que estão inseridos. São soberanos despreocupados com mesquinharias.
   A palavra é uma das mais poderosas ferramentas que o ser humano possui, embora seja uma faca de dois gumes, além de poder criar um sonho ou destruir tudo, o mau uso dela, também pode gerar um ferimento profundo. Por isto se diz que “As palavras são como plumas jogadas ao vento”. Não há como juntá-las novamente.”
   O mau uso da palavra autista dependendo da forma como é usada, pode libertar ou aprisionar mais ainda o seu portador, já que “A mente do ser humano é fértil, mas apenas para as sementes para as quais é preparada: se para sementes do amor ou ódio; da mentira ou da verdade; do medo ou da coragem e discernimento.”
   Pais de autistas, no sentido duplo da palavra, também devem ser cuidadosos com o uso da palavra, para que ela não se volte contra si mesmo. Quem nunca usou mal uma palavra, ou quem nunca falou mal de alguém, que me atire a primeira pedra.
   Sempre que escutamos uma opinião e acreditamos nela, fazemos um compromisso que se torna parte do nosso sistema de crenças, como aquelas mentiras implantadas em nossa mente num momento em que nossa atenção foi captada e estava receptiva para aceitar como verdade.
   Nos eventos do Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo, um senador brasileiro expressou em Plenário seu temor que estados e municípios, com tantas dificuldades na área de saúde, "não apliquem recursos para as necessidades da pessoa com deficiência”, mas que "criem a cultura, consolidem os serviços e acertem os encaminhamentos necessários" para atender os deficientes físicos, intelectuais e autistas.
   Já escrevemos sobre o “Autismo Político” que surgiu como protesto de quem não gosta de ver a palavra que caracteriza a síndrome como uma fonte de insulto ou crítica política.
   Se fizermos um compromisso conosco mesmo, apenas com a intenção do bom uso da palavra autista para manifestações por nossos filhos, autistas ou não, estaremos ensinando a usá-la em direção da verdade e do amor.
   O exemplo veio de além mar.