Autista, Autismo, asperger, criança autista, pessoas com e deficiencia, deficientes, TDAH

Loading...

sexta-feira, 30 de abril de 2010

TUTELA ANTECIPADA PARA AUTISTAS - RJ

"16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro
Agravo de Instrumento nº 0008632-64.2010.8.19.0000
Relator: Des. Mauro Dickstein
Agravante: ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Agravado: ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DE PESSOAS AUTISTAS MÃO AMIGA.

Origem: 0034411-91.2005.8.19.0001 - Ação Civil Pública - 9ª Vara de Fazenda Pública Juiz de 1º grau: Dr. Carlos Gustavo Vianna Direito

AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. DECISÃO QUE, ANTECIPANDO, PARCIALMENTE, OS EFEITOS DA TUTELA, DETERMINA QUE O ESTADO DISPONIBILIZE NÚCLEOS DE ATENDIMENTO E TRATAMENTO A CRIANÇAS AUTISTAS OU INCREMENTE OS NÚCLEOS JÁ DESENVOLVIDOS PELO MUNICÍPIO, NO PRAZO DE TRINTA DIAS.
ESTUDO REALIZADO PELO EXPERT DO JUÍZO, NO SENTIDO DE QUE A PROMOÇÃO DA SAÚDE FÍSICA E MENTAL DAS CRIANÇAS PORTADORAS DE AUTISMO DEVE SER IMPLEMENTADA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL, A FIM DE EVITAR MAIORES PREJUÍZOS NO
FUTURO. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA DOS ENTES FEDERATIVOS, NO QUE TANGE À GARANTIA E PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS CIDADÃOS, EM ESPECIAL, ÀS CRIANÇAS, CONSOANTE PREVISÃO LEGAL E CONSTITUCIONAL. ILEGITIMIDADE PASSIVA E FALTA DE INTERESSE DE AGIR A ENSEJAR COGNIÇÃO EXAURIENTE, INCABÍVEL EM SEDE DE RECURSO DE AGRAVO, CONTRA DECISÃO LIMINAR EIS QUE, A PRIORI, RESTAM PRESENTES OS REQUISITOS AUTORIZADORES DA MEDIDA. DECISÃO QUE NÃO SE REVELA TERATOLÓGICA, A DEMANDAR A SUA REFORMA. APLICAÇÃO DO ENUNCIADO Nº 59, DESTE E. TJRJ. RECURSO CONHECIDO, AO QUAL SE NEGA SEGUIMENTO, NA FORMA DO ART. 557, CAPUT, DO CPC..

Trata-se de Agravo de Instrumento, com pedido de efeito suspensivo, interposto pelo ESTADO DO RIO DE JANEIRO, diante da decisão proferida pelo juízo nos autos da Ação Civil Pública, reproduzida a fls. 109/110, proposta pela ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DE PESSOAS AUTISTAS MÃO AMIGA que, deferindo parcialmente, os efeitos da tutela antecipada pretendida, determinou que o agravado
"disponibilize, prazo razoável, núcleos de atendimento e tratamento a crianças autistas ou incremente os núcleos já desenvolvidos pelo Município, devendo apresentar, no prazo de 30 dias, cronograma do cumprimento desta decisão."
Alega sua ilegitimidade passiva, eis que, por força do sistema legal vigente quanto à repartição de competências entre os entes federados, a responsabilidade pela atividade pretendida é do Município onde residam os associados da agravada.
Sustenta, por fim, a falta de interesse de agir, em razão da efetiva prestação de tratamento pelos órgãos públicos pela rede municipal.
É o breve relatório.

DECISÃO

A hipótese é a de negar-se seguimento ao recurso.
Cinge-se a controvérsia acerca da legalidade da decisão judicial, ora impugnada, que.
O juízo de primeiro grau, em sua decisão a fls. 109/110, analisou o pedido formulado e entendeu estarem presentes os requisitos autorizadores da medida, até porque exsurge da leitura dos arts. 6º e 196, da Constituição Federal e da Lei nº 8.080/90, art. 4º, a responsabilidade solidária dos entes federativos, no que tange à garantia e promoção da saúde dos cidadãos, em especial, às crianças.
Nesse contexto, não se revela teratológica a decisão agravada, aplicável, portanto, à espécie, o que determina a Súmula nº 59, deste E.TJRJ, in verbis:

"SOMENTE SE REFORMA A CONCESSÃO OU INDEFERIMENTO DE ANTECIPAÇÃO DE TUTELA, SE TERATOLÓGICA, CONTRÁRIA À LEI OU À EVIDENTE PROVA DOS AUTOS."
Ademais, com relação à pertinência subjetiva, bem como, a falta de interesse de agir, deverão estas ser analisadas em momento oportuno, inclusive as normas pertinentes, no desenrolar da marcha processual, não sendo possível uma análise profunda, em sede de cognição sumária, nos autos do Agravo de Instrumento interposto, contra decisão liminar, para os fins mencionados.
Acrescente-se que, no transcorrer da contenda, melhor examinará e decidirá o julgador monocrático, através dos meios adequados ao enfrentamento e justo equacionamento da lide, inclusive, com a dilação probatória consistente, de modo a permitir verificar-se a legalidade da postulação que, a priori, se revela plausível.
Demais disso, vislumbra-se aqui os requisitos para a concessão da antecipação de tutela, notadamente o receio de dano irreparável ou de difícil reparação, no que tange a promoção da saúde física e mental das crianças portadoras de autismo.
Por outro lado, o perigo da demora se encontra presente, haja vista que a decisão a espera da solução final, poderá causar risco a incolumidade física e mental dos agravados, consoante parecer de fls. 106/108, cujo precoce diagnóstico e tratamento correto contribuem para a redução dos sintomas do doente na idade adulta.
Em vista do exposto, conhece-se do recurso, negando-lhe seguimento, na forma do art. 557, caput, do CPC..
Rio de Janeiro, 01 de março de 2010.
MAURO DICKSTEIN
Desembargador Relator"

quinta-feira, 29 de abril de 2010

IV Prêmio Orgulho Autista Brasil



O Movimento Orgulho Autista Brasil entrega, dia 30 abril 2010, das 10h às 12h, nos estúdios da Rádio Nacional de Brasília AM, a 4ª edição do Prêmio Orgulho Autista.
Sob o comando da jornalista Luiza Inez Vilela a solenidade de entrega é transmitida ao vivo.
Os vencedores são instituições e pessoas que foram consideradas merecedoras do destaque, pois de alguma forma, direta ou indiretamente, contribuíram para que as famílias das pessoas autistas e até em alguns casos, as próprias pessoas autistas pudessem ser ouvidas em suas necessidades de forma significativa.
Para isso, os componentes do Conselho Organizador do Prêmio Orgulho Autista, que é formado pelos fundadores e diretores da ONG (pais, mães, irmãos, avós, professores, terapeutas, especialistas, simpatizantes, etc) fazem as indicações dos candidatos e as defesas de suas indicações. Após este passo, os candidatos apontados são votados.

Os Vencedores do IV Prêmio Orgulho Autista, apontados como Destaques que receberão os troféus em 15 categorias são:

1 - Livro Destaque:
Autismo e Família - Uma Pequena Grande História de Amor
Maria Stela de Figueiredo Avelar – EDUSC
Mãe relata brilhantemente as situações inusitadas vividas com o filho autista.
2 - Diretor e Escola Destaque:
Escola Metamorfose - Niterói/RJ
Sandra Cerqueira
Tia de autista, a diretora atuante e gentil, com uma escola que atende muito bem os autistas e suas famílias, considerando suas necessidades. Virou referência no Brasil.
3 - Professor Destaque:
Eliana Rodrigues Araújo
Universidade Federal de Natal/RN
Mãe de autista, a professora criou uma unidade de educação diferenciada a autistas e sempre envolve as famílias e as ONGs de todo o Mundo em sua luta. Recentemente esteve em Oslo/Noruega divulgando o sucesso de seu trabalho. Também realiza intercâmbio com a Universidade de Yale/EUA, tendo proporcionado a vinda de estudantes dos EUA para o Brasil
4 - Médico Destaque:
Salomão Shwartzmann - psiquiatra
Universidade Mackenzie de São Paulo/SP
É um médico famoso por seu trabalho mundial com neurônios espelho no transtorno do autismo. Simples e gentil, tem fama no mundo todo.
5 - Psicólogo Destaque:
João Cláudio Todorov- IESB – Brasília - DF
Passou a vida inteira dedicando-se ao estudo da melhoria da qualidade de vida para os autistas. Foi professor titular da UNB, saindo de lá pelo distanciamento acadêmico da vida social.
6 - Político Brasileiro Destaque:
Deputado Federal Luiz Couto - Paraíba
Câmara dos Deputados
É o articulador das questões do autismo no parlamento brasileiro. Foi quem deu atenção e apoio ao Orgulho Autista divulgando nossa causa e abrindo espaço na Câmara dos Deputados sempre que solicitamos, colocando a Comissão de Direitos Humanos a favor dos eventos dos autistas.
7 - Imprensa Rádio Destaque:
Luis Fernando Correia - Rádio CBN
Comentários em 04 setembro 2008
Um dos primeiros a informar e interessar-se pelas pesquisas que desmentiram a teoria que relaciona o uso de vacinas ao aparecimento de autismo em crianças.
8 - imprensa Televisão Destaque:
Liliane Cardoso - Bom Dia DF - TV Globo
Entrevista em 02 abril 2008
Foi a primeira jornalista da TV Globo a entrevistar e reportar situação do autismo na primeira edição do Dia Mundial de Conscientização.
9 - Imprensa Escrita - Revista Destaque:
Reinaldo José Lopes
Revista Superinteressante edição 256 set2008
“Os maiores cérebros do mundo” Reportagem ampla sobre o autismo e suas situações.
http://ee.jornaldobrasil.com.br/reader/zomm.asp?pg=jornaldobrasil_117371/76631
10 - Imprensa Escrita - Jornal Destaque:
Cristina Fausta Soares - Jornal do Brasil
“Famílias cobram ao GDF política para dar apoio aos autistas”
Matéria aborda os gênios autistas, sem esconder as suas dificuldades.
http://ee.jornaldobrasil.com.br/reader/zomm.asp?pg=jornaldobrasil_117371/76631
11 - Imprensa Fotografia Destaque:
Sérgio Sanderson - Cascavel/PR
Foto de Emerson Fittipaldi apoiando o autismo no autódromo de Brasília
Está em vários sites da internet, nacionais e internacionais.
Exemplo: Crônica Autista, Inclusive, etc.
12- Internet Destaque:
http://www.autismobemvindoaomeumundo.blogspot.com/
Responsável: Ana Marques
Eventos e informações da maior importância.
13 - Pessoa e Instituição Destaque
AUMA - São Paulo/SP
É o espaço mais acolhedor do Brasil, onde os profissionais são os mais amigos.
14 - Pessoa e Órgão Público ou Empresa Privada Destaque:
Clotildes Vasco
Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados
Luta pelo apoio aos eventos autistas desde que tomou conhecimento da situação.
15 - Atitude Destaque:
Luis Fenelon - Brasília/DF
Criação do Dia do Autismo no Orçamento
Criou o Dia do Autismo no Orçamento, celebrado no aumento real do financiamento público, com substancial crescimento, depois que este trouxe gente de todo o Brasil para evento sobre orçamento na Câmara

Maria Lúcia Ferreira Gonçalves – Diretora de Eventos
Fernando Cotta - Coordenador

terça-feira, 27 de abril de 2010

Rasgos de Humildade - Gostei


David Beckham e Tom Brady levam filhos a evento beneficente


David Beckham e Tom Brady se encontraram no sábado, 24, em um evento de caridade em prol dos portadores de autismo em Pasadena, Califórnia, e ainda aproveitaram para curtir os filhos. Beckham levou Brooklyn e Cruz, seus filhos com a ex-spice Victoria, e Brady levou o pequeno John, seu filho com a atriz Bridget Moynahan. Tom Brady teve seu segundo filho, Benjamin, com a top brasileira Gisele Bündchen.

G1 - Portal de Notícias Globo.com
Foto:G1-sa

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Evento em Porto Alegre - Final

Isso não é bem assim não!
Esses instrumentos "não valem" como pesquisa, mas na clínica o PEO-R é aplicado, tem seu valor e ninguém questiona isso. Mas não é instrumento diagnóstico como o CHAT, M-CHAT, ADOS, ADI-R.
Porque não falaram do diagnóstico precoce onde entra o CHAT e o M-CHAT
A própria Cleonice aplica o AID-R, que tem mais de 100 questões - em nossa prática é inviável. Ela é uma das poucas pessoas no Brasil que tem a certificação para isso
                                                       O CARS tá validado.

Dr. Walter Camargos

Conclusões sobre Pesquisa em Autismo - Porto Alegre


Amigos, as minhas conclusões depois de participar do evento em Porto Alegre foram as seguintes:

1. Não temos mais como fugir do diagnóstico precoce. O problema é que no Brasil ainda não se tem uma política de triagem que olhe pra isso. O ponto é realmente formação de profissionais para essa parte.

2. Não temos instrumentos validados no Brasil que nos ajudem nem na avaliação nem no follow up dos casos. O que temos são os critérios internacionais, e poucos (ou quase nenhum) protocolos mais sistematizado. Falou-se muito no CHAT, M-CHAT, ADOS, ADI-R, mas não há ainda validação pra uso. O CHAT e MCHAT sim, os demais, ainda não. Nenhum instrumento nacional apareceu ainda pra isso e é uma boa sugestão para novas pesquisas.

3. Já que foi um evento mais voltado para a área médica, não foi apresentada nenhuma pesquisa educacional. Mas, tinha uma fala destinada ao MEC, portanto, da parte escolar. Mas nem mesmo a representante do MEC conseguiu mostrar o que se está fazendo pela inclusão. Nenhum pesquisador da parte escolar foi convidado pra mostrar as produções brasileiras na parte educacional. O mais perto (ou longe) disso foi a apresentação da Marli, da AMA. Se a idéia era concentrar o maior número de pesquisadores brasileiros, em minha opinião, faltaram representantes da Educação.

4. Em termos farmacológicos, a unanimidade foi com o uso da Risperidona, lembrando sempre da possibilidade real de ganho de peso (todos falaram isso) e possíveis associações desta com outras substâncias. Lembraram também de que uso de remédios se restringe aos sintomas reforçando que não existe remédio para AUTISMO.

5. Também se falou muito da falta de elementos científicos para a recomendação de dietas livres de glúten e caseína e uso de vitaminas.

6. Recomendaram o uso do termo T.E.A (Transtornos do espectro autista)

Resumo da ópera: o saldo foi positivo.
Fiquei surpresa com uma fala do Dr. Riesgo, quando em um dado momento, pediu a palavra para falar que algumas pessoas estariam "falando mal" do evento em "redes sociais da internet" (postando críticas ao evento). Ele pediu para quem estivesse lendo, ajudasse a comissão a neutralizar tais comentários. Nós, do grupo, não soubemos se a carapuça serviria pra nós, visto que ninguém do grupo fomentou nenhuma crítica direta. Mas, ao mesmo tempo, eu e Fausta estávamos mandando notícias pela rede. Fiquei na dúvida se aquilo seria pra mim, mas no final das contas, relendo o que eu já havia postado, fiquei sossegada, pois nada do que nós enviamos para vocês, foi "falar mal". Ao contrário, a nossa idéia era realmente socializar o que estávamos vendo. E o saldo foi evidentemente positivo, a idéia foi grandiosa e a experiência, de grande valia.
Pode ser que algumas outras pessoas tenham entendido mal, e enviado alguma coisa maldosa, sei lá. E isso pode ter chegado aos ouvidos da comissão.
Nossa consciência está tranquila.
Até porque queremos acreditar que nenhum membro do nosso grupo funcionaria como "dedo duro" contando ou repassando as nossas informações com maldade para alguém da comissão.
Deixei os meus parabéns para todos de lá, e estamos prontos para outra oportunidade, quando tiver.
Espero ter ajudado um pouco a contar o que vimos por lá.
Maria Elisa Granchi Fonseca
Psicóloga



domingo, 25 de abril de 2010

Desagregação de Forças

A todos,
Vou re-falar minha opinião.
Os profissionais que trabalham em políticas públicas em sua IMENSA MAIORIA foram formados na área de Saúde Mental (SM) de ADULTOS.
Eles só pensam em Doença mental ou Deficiência mental - não conseguem sair disso!
A necessidade está além dessa categoria/pacote - não há solução proposta
Não entendem nada de crianças e parecem que não querem entender (atender as necessidades delas).
As políticas de SM no Brasil vazam por todos os lugares e não se consegue atender as necessidades dos adultos que matam, morrem, roubam etc - TRAZEM PROBLEMAS COLETIVOS REAIS
Crianças não trazem problemas coletivos reais - crianças nem votam!
São vocês Pais que tem que fazer isso/exigir.
Exigir o que seus filhos precisam - porque lhes será empurrado um pacote básico que não resolve a pluralidade dos afetados pelo autismo - SEUS FILHOS!
Não basta a ficha cair (como talvez esteja acontecendo), vocês tem que exigir via judicial, via mídia, via passeata, via evento, via congresso, etc.

Dr. Walter Camargos

Mensagem publicada na Lista Autismo no Brasil
25.04.2010
Foto: AAP-MG - Google

sábado, 24 de abril de 2010

Seminário Internacional sobre Autismo em BH


FUMEC realiza Seminário Internacional sobre Autismo

De 12 a 14 de maio de 2010, a Universidade FUMEC realiza o Seminário Internacional sobre Autismo, trazendo para Belo Horizonte proeminentes estudiosos do tema. O objetivo é criar um espaço de discussão e de investigação científica sobre formas de tratamento e de inclusão social do autista.

Muitas pesquisas têm permitido à sociedade conhecer melhor o autismo, um dos distúrbios do desenvolvimento humano que mais vem desafiando a ciência. Contudo, a diversidade de características que esse transtorno pode apresentar faz com que ainda haja questões a serem respondidas. O maior conhecimento sobre os procedimentos clínicos e pedagógicos voltados para o autista pode significar melhoria da sua qualidade de vida e de seus familiares, contribuindo para uma sociedade mais inclusiva e acolhedora.

O Seminário apresentará bases teóricas sobre o tema e experiências de atendimento ao autista, em âmbito internacional e nacional, enfatizando a formação acadêmica atual para esse atendimento.
O evento é direcionado a profissionais e estudantes das áreas de Educação Física, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Pedagogia, Psicologia, Psiquiatria, Psicanálise, Terapia Ocupacional e outros que se dedicam ao cuidado com o indivíduo autista.
As inscrições podem ser feitas até o dia 11 de maio, neste portal.
Investimento:
Profissional: R$ 100,00.
Estudante: R$ 70,00 - Estudante FUMEC: R$ 50,00.
Local: Universidade FUMEC – Espaço Cultural Phoenix (Rua Cobre 200, Cruzeiro - Belo Horizonte/MG).
Mais informações: www.fumec.br/autismo / seminario.autismo@fumec.br / 0800 0300 200

PROGRAMAÇÃO

12/05 – quarta-feira
- 19h às 19h30 – Abertura.
- 19h30 às 21h – A aprendizagem não é suficiente para tratar o autismo. Jean-Claude Maleval (França) - Professor da Universidade de Rennes 2; Psicanalista, Membro da École de la Cause Freudienne (ECF) e da Association Mondial de Psychanalyse (AMP); autor do livro L’autiste et sa voix. (Tradução Simultânea).
- 21h – Jean-Claude Maleval irá autografar seus livros L’autiste et sa voix (Seuil, 2009) e L’autiste, son double et ses objets (PUR, 2009).
13/05 – quinta-feira
- 8h30 às 9h30 – Relato de um caso clínico de autismo. Paula Pimenta (Brasil/MG) – Psicanalista; responsável pelo Núcleo de Psicanálise com Criança do Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais; psicóloga do Centro Psicopedagógico (CPP) da FHEMIG.
Comentário de Jean-Claude Maleval.(Tradução Consecutiva).
- 9h30 às 10h – Intervalo.
- 10h às 12h - Transferência autística e condução do tratamento. Myriam Perrin (França) – Professora-conferencista da Universidade de Rennes 2 (Laboratório de Psicologia Fundamental e Clínica Psicanalítica). (Tradução Consecutiva).
- 14h às 15h30 – Análise do Comportamento Aplicado (ABA): uma tecnologia para maximizar o aprendizado do indivíduo com autismo. Maria Isabel Pinheiro (Brasil/MG) – Psicóloga, Psicopedagoga, Mestre em Educação Especial e Pesquisadora do Laboratório de Neuropsicologia do Desenvolvimento da UFMG.
- 15h30 às 16h – Intervalo.
- 16h às 17h30 – Sobre a escolha do sujeito autista. Inês Catão (Brasil/DF) – Psicanalista, Membro da Letra Freudiana; Psiquiatra Infantil do Centro de Orientação Médico-Psicopedagógica da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (COMPP-SES/DF).
- 17h30 – Inês Catão irá autografar seu livro O bebê nasce pela boca: voz, sujeito e clínica do autismo (Editora Instituto Langage, 2009).
- 19h às 21h – Estratégia pedagógica para o tratamento de crianças e jovens com autismo. Gunilla Helsing Heijbel (Suécia) – Pedagoga do Autismcenter for Adults. (Tradução Simultânea).
14/05 – sexta-feira
- 8h30 às 9h30
Autismo e Educação. Ângela Vorcaro (Brasil/MG) - Doutora em Psicologia e Professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); Mônica Rahme (Brasil/MG) – Doutora em Educação com estudos na Université Paris-Descartes e atuação nas áreas de educação especial e educação inclusiva, Professora da UNA.
Identificação de sinais de autismo em bebês – Walter Camargos Júnior (Brasil/MG) - Psiquiatra, Mestre em Ciências da Saúde e Interconsultor em Psiquiatria Infantil do Hospital João Paulo II.
- 9h30 às 10h – Intervalo.
- 10h às 12h - Autismo e relações familiares. Cláudia Chaves Martins (Brasil/Suécia) – Assistente Social do Autismcenter Barn & Ungdom.

- 12h – Encerramento.
www.fumec.br/autismo 
seminario.autismo@fumec.br

quarta-feira, 21 de abril de 2010

AUTISMO NO TRABALHO II

André Arroyo Ruiz, 30 anos,
recentemente diagnosticado com autismo


"Posso ficar furioso se alguém quebra a minha confiança"

Sempre fui questionador.
Em casa, virava referência sobre como operar qualquer aparelho. Na escola, era visto como a pessoa que era capaz de responder às perguntas mais difíceis.
Hoje sou engenheiro elétrico formado pela Universidade de São Paulo (USP) e trabalho na Europa como gerente financeiro de uma grande empresa.
No trabalho atual estava passando por um período difícil, em que sentia que não produzia como deveria, estava infeliz e sabia que meus chefes tampouco estavam felizes. Então procurei ajuda médica.
O diagnóstico (um grau leve dentro do espectro autista) foi sugerido há um ano, depois de alguns meses de acompanhamento psiquiátrico.
A conclusão é que apresento um padrão de sintomas que se assemelha muito aos sintomas encontrados no espectro autístico.
A princípio parece um diagnóstico nada conclusivo. Depois de estudar o assunto por algum tempo, porém, entendi que ainda não há um consenso científico de o que é o autismo, então muitas áreas cinzentas surgem quando alguém apresenta os sintomas de forma mais leve.
Para complicar, o grupo homogêneo mais conhecido na parte leve do espectro autístico, da síndrome de Asperger, tem características e critérios de diagnóstico muito bem definidos em crianças, porém pouco é entendido sobre como os sintomas se manifestam em adultos.
O grande problema é que os critérios de diagnóstico clássicos se baseiam principalmente em deficiências de sociabilidade e comunicação.
O fato de um portador não possuir uma habilidade social nata não significa que ele não possa aprender, por imitação ou tentativa e erro, como agir socialmente. E, de fato, os que têm maior capacidade cognitiva aprendem, com o passar do tempo, a imitar os comportamentos sociais esperados.
Desde não muito tempo, se sabe que o autismo não é caracterizado apenas por deficiências de comunicação e sociabilidade, mas por um quadro muito mais complexo de características, algumas das quais sempre persistirão no portador, como os diversos tipos de hipersensibilidade.
Depois de haver conversado com muitas pessoas diagnosticadas com algum tipo de autismo, descobri que tenho muito em comum com algumas delas, muito mais do que eu jamais imaginei que teria em comum com alguém.
Portanto, estou certo de que, independente de critérios de diagnóstico formais, os modelos, teorias e tratamentos do autismo se aplicam a mim.
Quando pela primeira vez me disseram que eu tinha depressão, minha mãe ficou chocada. Eu, comecei a rir... Ela não me entendia, porque ela não pensa de uma forma autista, objetiva: O fato de um médico falar que eu tenho depressão não muda ou piora meu problema, porém identificar o problema como sendo algo relativamente comum e bastante estudado pode ajudar muito a achar uma solução.
Por isso comecei a rir, fiquei feliz de meu problema ter um nome, de ser algo conhecido. Depois de algum tempo descobri que na verdade eu não tinha exatamente uma depressão em si, mas um sintoma associado ao autismo que pode apresentar um quadro muito parecido com depressão.
Quando o psiquiatra falou do autismo, minha reação imediata foi a mesma, fiquei feliz.
Algumas horas depois, porém, comecei a pensar em toda minha infância, e a imaginar se muitos dos problemas que tive na verdade não eram tão normais e comuns quanto eu pensava, mas eram consequências do fato de eu ser "diferente".
Não sei o quanto minha mãe já aceita a idéia, mas, a princípio, ela não acreditava no diagnóstico.
A primeira coisa que o psiquiatra notou foi a minha forma exageradamente precisa falar o que é um problema de comunicação, já que prezo mais a precisão que o entendimento.
É comum as pessoas não entenderem os termos e conceitos que uso.
Havia outros sintomas, como minha capacidade de descrever, com precisão e riqueza de detalhes, tudo o que sentia, de sensações físicas a emocionais, e as hipersensibilidades diversas: tecidos duros ou ásperos podem me incomodar muito, comidas com certas texturas ou cheiros são insuportáveis, posso notar barulhos que ninguém mais ouve e a luz pode incomodar.
A hipersensibilidade pode ser emocional também. Alterações mínimas no tom de voz de uma pessoa podem me fazer sentir como se a pessoa estivesse gritando ou brigando comigo.
Entendo de forma literal muito do que escuto, ou pelo menos passa pela minha cabeça a interpretação literal como uma das possibilidades de entendimento.
Nos casos mais graves de autismo, a pessoa pode ser incapaz de entender metáforas, por exemplo.
Descobri que pessoas com autismo tendem a apresentar níveis de estresse irregulares ao longo do dia, ao contrário da maioria das pessoas, que apresenta um ciclo diário bem definido de níveis de estresse, atenção e sonolência.
Tendo a pensar primeiro nas minhas vontades em situações que envolvem mais pessoas, às vezes ignorando o que pode passar pela cabeça delas ou como elas podem se sentir.
Se disser a alguém que vou fazer algo, me sinto mal se os planos mudam. Ao mesmo tempo, posso ficar furioso ou muito triste se alguém quebra minha confiança (descobri que pessoas com autismo tendem a ser extremamente leais).
Desde cedo mantive meus chefes informados de tudo o que descobria e, sabiamente, eles entendiam o problema e tentavam adaptar a forma de trabalhar. Para eles, assim como para mim, descobrir os problemas é a chave para poder aproveitar melhor as vantagens que minha condição proporciona. Com alguns colegas comentei sobre algumas das descobertas.
É curioso que os colegas em quem também identifiquei traços de autismo, ou de algum tipo de transtorno de ansiedade, são os mais céticos: Para eles também, ser diferente é normal, e eles não querem acreditar que as minhas diferenças (e logo as diferenças deles) podem ser tão grandes que podem pertencer a algum distúrbio psiquiátrico.
Nesse cepticismo, vi dois colegas que eu acreditava apresentarem depressão serem demitidos, enquanto se recusavam aceitar o problema e procurar ajuda.

Foto do Arquivo Pessoal
Gazeta do Povo 28/03/2010

AUTISMO NO TRABALHO I

Quando a assistente social do grupo SBS Adriana Amaral informa a algum gerente que ele vai receber um funcionário com deficiência que não seja física, ela costuma ouvir a pergunta: “Qual é a possibilidade de ele surtar no meio da loja?”
A resposta não muda: “A mesma possibilidade da assistente social surtar no meio da loja”.
O grupo para o qual Adriana trabalha é formado por 150 lojas, onde hoje estão empregadas 123 pessoas com os mais variados tipos de deficiência.
Uma das lojas é a Centauro do Shopping Estação, onde conhecemos Diego Mendonza de Melo, 24 anos.
Todos os dias, ele segue de Piraquara de ônibus até Curitiba para trabalhar, o que faz com um constante sorriso nos lábios. Enquanto atravessa o shopping, cumprimenta os funcionários que encontra e é chamado pelo nome. Figura simpática, ele conta que gosta de trabalhar e, contrariando os sintomas do autismo, também adora conversar.
Quem encontra Diego pode perceber que ele tem um comportamento infantilizado para seu tamanho e idade, mas dificilmente alguém acerta o seu diagnóstico.
Dentro do espectro autista, que se divide em graus mais ou menos severos, Diego estaria entre aqueles com menor comprometimento cognitivo. No entanto, a maior parte das pessoas com graus não tão severos de autismo nem ao menos conhecem o transtorno porque não foi diagnosticado.
“É mais fácil fazer o diagnóstico em casos mais graves, naqueles em que a deficiência men­­tal e o comportamento bizarro estão presentes. No caso dos aspergers (os chamados de alto funcionamento, com inteligência normal ou acima da média) é bem difícil”, diz o psiquiatra Estevão Vadasz, coordenador do Pro­­jeto Transtorno do Espectro Autista do Hospital de Clínicas, em São Paulo.
Para serem contratados pela Lei de Cotas, como é conhecida a lei que estabelece um número mínimo de pessoas com deficiências em grandes empresas, além de ter autismo, a pessoa precisa ter algum grau de deficiência intelectual, ou mental, assim como acontece com a Síndrome de Down.
Entretanto a inclusão não deve ser feita apenas pela lei, mas por uma questão social, conforme a psicóloga Julianna de Matteo, da Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência (Avape), ONG que atua no atendimento e na defesa de direitos de pessoas com deficiência. “O preconceito que as pessoas com autismo sofrem hoje vem da falta de conhecimento da sociedade. Pouco nos interessam as cotas, trabalhamos para a conscientização das empresas para a responsabilidade social”, afirma. A Avape oferece “palestras de sensibilização” em empresas sobre o potencial das diferentes deficiências. “No caso do autismo, alguns têm uma inteligência específica impressionante e facilidade para aprender.” Para que tenham sucesso, no entanto, é preciso que as empresas se ajustem às necessidades específicas daquele funcionário, pois cada pessoa com autismo é diferente da outra, assim como são diferentes suas necessidades, limitações e qualidades. “Os empregos devem levar em consideração os traços da síndrome e as características pessoais. Muitos são extraordinários em algumas áreas, mas é preciso empenho para que possam trabalhar no que gostam”, explica Estevão Vadasz.
Diego trabalha como ajudante de loja, ora no caixa, ora no estoque ou ajudando vendedores. Em seu tempo livre, navega no serviço de mapas do Google e, por causa disso, conhece de cor o mapa de ruas de cidades onde nunca esteve como Londrina.
Nas ruas de Curitiba, poderia andar de olhos fechados, e segue sonhando com o dia em que conseguirá entrar na faculdade e trabalhar como guia turístico.

Gazeta do Povo - 28/03/2010 -
Reportagem: Adriana Czelusniak
Foto: Hedeson Alves/ Gazeta do Povo

terça-feira, 20 de abril de 2010

SONHOS OU PESADELOS - Novo livro da Liê -

Olha aí a Liê, mãe do Gabriel Gustavo – o autista. Ele dando voltas na vida, ela as voltas com a vida.
Depois de Vivendo Sonhos, agora ela nos concede  Sonhos ou Pesadelos, um enquadramento sobre fantasias que podem transformar nossa vida comum em aventura.
Neste seu novo livro Liê mais parece um chafariz espargindo gotas de energia.
Poetisa de inspiradora e inegoista bondade, pariu mais um filho para que possamos juntos interpretar a vida tão carente de compreensão.
Em Sonhos ou Pesadelos, Liê nos ensina o caminho para despertar no melhor dos mundos.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

AUTISTAS - Os Pequenos Notáveis


Dificuldades de diagnóstico e avaliações mais criteriosas, ética, competência pedagógica, algumas reflexões sobre o preconceito e a atuação da psicologia, readequação de ambientes, interrupção de execução de serviços apropriados por falta de profissionais ou familiares, nem tanto de maneira privativa, mas global à natureza do autista, são preocupações que se intensificam.

Os avanços sociais educacionais imaginados por teóricos põem em curso a regulamentação da profissão de médico, gerando discussões, colidindo com outras da área de saúde estabelecidas em todos os seus aspectos, considerando o autismo como um fenômeno bio, psico, portanto mental e físico e mais, afetivo e biológico porque abarca as questões neurológicas e genéticas.

O médico, sem generalizar, somente ele e não estando em pauta a sua especialização, estará revestido de poder para formular o diagnóstico nosológico, ou seja, das enfermidades em geral e ainda, classificá-las a partir do seu ponto de vista pessoal, já que a capacidade de cada um não é uma verdade absoluta.

Para tratamento do autista, o médico terá que exercer a integralidade de outras profissões que agem no contexto dele, sem fragilizar a psicologia nas suas atribuições, pois que classificada como item de tratamento multiprofissional, não se deve prescindir da sua atuação.

Nos atuais centros de atendimento educacional especializados, complementar ou suplementar, os autistas e deficientes da mente já são tratados com avançadas estratégias utilizadas por psicólogos e educadores diversificados, orientando compreensão para si mesmo.

No cotidiano, o atendimento a criança ou adolescente autista já tem programas que garantem seus direitos com abordagens construtivistas e sócio-interacionistas, utilizando-se da filosofia de que o ser humano se desenvolve no ambiente familiar e social, frente a estímulos contínuos por respeito ao autoconhecimento das suas limitações.

É bem possível que mesmo Leo Kanner não tenha pensado o quanto instituições, profissionais e especialistas teriam que trabalhar na derivação da sua proposta, em busca de caminhos que levassem ao encontro de soluções para o autismo, após sua descrição na década de 40 do século XX.

Para acompanhar o comportamento em sua diversidade, com sensibilidade e conhecimento, os profissionais poderiam considerar a aplicação de metodologias com base no senso lúdico do autista, levando em conta o prazer que ele apresenta na participação do processo educacional, revelando a diversidade que permitirá a participação eventual no seu imaginário a partir da família.

Raramente um autista demonstra que retém ensinamentos. São mais comuns os registros das suas rotinas diárias serem constatadas mais tarde ou inesperadamente reveladas, depois de uma espécie de maturação pelo mesmo, sem que ele tenha demonstrado interesse pelo que lhe foi ensinado.

Médicos e especialistas, poderiam se reunir com educadores e pais, para discutirem soluções sobre as dificuldades que os autistas têm para compreender a evolução do ensino, principalmente nos aspectos afetivos e educacionais.

Quando a família é incorporada ao processo terapêutico do autista, de acordo com a orientação de psicólogos e educadores em conjunto com as dinâmicas de reflexão e conhecimento de cada área afim, essa interação se tornará o elo que facilitará a integração minimamente ideal para o aluno.

Diferentes designações conceituais têm sido aplicadas para a educação inclusiva, pois quando se trata de autismo, ela aparece apenas como mais uma nova nomenclatura direcionada para o aluno, surpreendendo o educador que de especialista em uma deficiência, antes da nova diretriz de ensino, agora precisa ter formação mais ampla.

Entendendo que criar conceitos na mente significa compreender, e decodificar significa reconhecer, o processo educacional de inclusão é o passo que possibilita o tratamento de deficiências, em conjunto com as novas metodologias que contribuem para a diminuição dos efeitos da síndrome do autismo, vistos como impeditivos para o progresso do aluno que deixou de ser paciente.

As escolas brasileiras devem cultivar a partir de agora, e que ninguém duvide disso, um novo olhar, acolhendo a todos como estudantes e não doentes, defendendo-os como uma arma poderosa de combate ao preconceito em favor de todas as pessoas com deficiência.

O desafio não é viver, isso é natural, o desafio é conviver, completaria... É ser, fazer e aprender.

Durante a vida inteira o autista fica subjugado pela ditadura da genética, crescendo física e fisiologicamente, sem parar, mas mesmo em idade avançada, quando não tem mais nada para crescer, continua a aumentar o tamanho do nariz para não esquecer o mau cheiro do preconceito, por que não há projeto de vida para ele com perspectiva de vida, lazer, educação, trabalho, vida sexual e velhice...

Reflexões, debates de ações e responsabilidade social devem ser tão obrigatórias quanto à inclusão em qualquer planejamento pedagógico, pois incluir não significa diferenciar atividades para deficientes autistas ou não, mas sim aceitar a oportunidade para tentar solucionar o seu problema.

O sistema brasileiro de educação é o primeiro entre muitos países, que determina o ensino regular aos alunos com deficiência intelectual, deficiências sensoriais, altas habilidades, deficiência física e transtornos invasivos do desenvolvimento, fazendo a erradicação das “classes especiais”, ampliando a perspectiva salutar da educação inclusiva.

Embora absolutista em tese, que os médicos continuem executando com dedicação os prognósticos, raciocinando diagnóstico, visando assegurar saúde e reabilitação das pessoas.

A vida do autista até pode ser fácil, mas a convivência que é o desafio maior, pelo fato de ter que viver com o outro, mesmo que indiretamente, desenvolvendo a tolerância, o perdão e seu senso de solidariedade entre outros, comprova que onde há sentimentos não existe aprendizado dissociado da prática.

Os autistas estão aí, mostrando que vieram para fazer parte do todo, exclusivamente abrindo caminho para que os pesquisadores façam provas dos insucessos pontuais das ciências transitórias, que entrecortadas pelo êxito das suas limitações têm, e nada mais são do que humanas.

Únicos em emoções e sentimentos, os autistas são pequenos notáveis, não nascem prontos, são moldados e guiados para apresentarem similaridade comportamental pelo menos entre os ditos normais.

Foto: goulbourmms

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Santos 10 x Cidadania 0

Aproveitando para surfar na onda da boa fase que atravessa, a diretoria do Santos Futebol Clube resolveu levar o time para uma visita beneficente ao Lar Espírita Mensageiros da Luz, que ampara crianças com paralisia cerebral.
Suas principais estrelas, entre elas Robinho, Neymar, Ganso, Fábio Costa, Durval, Léo, Marquinhos e André, recusaram-se a descer do ônibus que os conduzia, com base na revoltante desculpa de que seu caráter religioso os impedia de fazê-lo, já que a instituição de amparo para pessoas com deficiência professa a Doutrina Espírita.
Enquanto isso, os atletas menos votados fizeram à distribuição de ovos de chocolate oferecidos por um patrocinador do clube, para celebrar a Páscoa, desprovidos da preocupação em colidir sua religião com a filosofia praticada pelo Lar Espírita de Assistência à Paralisia Cerebral.
Para que não haja injustiça, é bom que se diga que ninguém falou se os colegas de clube que praticaram a atitude caridosa foram informados que a sua condição religiosa poderia provocar colisão ideológica com a filosofia da instituição, ou ainda que paralisia cerebral seja uma doença contagiosa, pois quem entrou no jogo foi à intolerância religiosa dos jogadores estrelados, que se dizem evangélicos, escancarando a discriminação e o preconceito contra aqueles deficientes.
Preconceito é a idéia.
Discriminação é a idéia colocada em "prática".
Um exemplo: em algum momento você pode não gostar de uma pessoa com determinada característica, feia ou bonita, bizarra ou estigmatizada, esse é um preconceito.
A partir do momento que você passa a insultá-las ou qualquer outro tipo de atitude pejorativa, é a discriminação.
Ao sentirem o impacto do gol que haviam marcado contra si mesmos, a turma que preferiu o abrigo do ônibus, correu até a sua diretoria acostumada a todos proteger, principalmente quando está em jogo a conveniência financeira, organizando um rápido contra-ataque, apelando para a proteção de “todos os santos” e inclusive de alguns hereges da imprensa esportiva, defensora dos seus atos falhos.
É comum ver jogador de futebol, sem generalizar é claro, visto pela hipocrisia de que ele é um infeliz necessitado, porque geralmente vem da pobreza, inclusive quando desprezam aqueles que não pediram para nascer deficiente e são amparados pela caridade de uma casa espírita, onde quem sabe o ovo de chocolate seria um lampejo de alegria por demais esperada.
Tristemente constatamos que aqueles que se acuaram no ônibus recusando-se a prestar um ato de caridade, ganharam reportagens protetoras, falsas matérias solidárias, enquanto aqueles que lá estiveram, não importa se contra sua vontade ou por obediência a hierarquia, sequer foram citados, o que evidencia discriminação dentro da própria classe.
Tinha razão o Wanderley Luxemburgo quando disse uma frase que é oportuníssima neste momento: “é preciso tomar cuidado com essa cristianização no futebol”.
O que dizer do espetáculo dantesco proporcionado por estes “atletas de cristo” que não quiseram descer do ônibus?
Há quem diga que depois desse lamentável acontecimento sob todos os aspectos, os protagonistas dessa ópera bufa voltaram ao Lar Espírita Mensageiros da Luz para uma nova visita. Nunca é tarde para se redimir. Quem sabe nas tentativas de amenizar o vexame comprometedor, pensaram nos seus filhos que um dia lhes cobrariam uma explicação pela arrogância.
Uma antiga música diz assim num dos seus versos: “magnífica é a escola de bola de um homem chamado Pelé”. De vez em quando eu a cantarolo.
Quando canto, meus filhos que conhecem Pelé e Santos dele pela história e algumas imagens me estigmatizam.
Ficam falando que eu nunca torci pelo Santos. Era mesmo torcedor do Pelé. Geração do Pelé, e mais, que ele parou em 1973 no Brasil contra a Ponte Preta porque não tinha mais o que fazer aqui, e depois foi jogar no Cosmos de New York, onde até 1977 ensinou os norte-americanos o que era bola.
Divirto-me com a brincadeira sadia.
Trinta e poucos anos depois, surgem alguns arremedos de Pelé, algumas imitações, que mesmo não querendo ser rigoroso, são efêmeras.
O preconceito e a discriminação variam pela maneira com que cada jornalista, colunista, apresentador de rádio ou televisão se expressa e, principalmente quando exterioriza o desprezo por determinados grupos portadores de alguma deficiência, da mente ou não, encontrado em determinada situação, como fizeram estes jogadores do atual Santos Futebol Clube.
O Santos de hoje tem lá suas virtudes com seu futebol irreverente, quem sabe até pela mediocridade dos rivais.
Infelizmente não dá para comparar
Nada igual a Pelé, nem ao time dele.
Nem em educação.
Que pena.