Autista, Autismo, asperger, criança autista, pessoas com e deficiencia, deficientes, TDAH

Loading...

terça-feira, 16 de março de 2010

A CURA DO AUTISMO – Parte?!?!? ... Listas

A pergunta que não deve calar.
Não existe medicação para a cura do autismo, apenas para administração de alguns sintomas dele, já catalogados pelas Neurociências.
Os autistas trabalhados em conjunto com uma boa equipe multidisciplinar e o apoio integrado com os Pais, eliminam as preocupações em relação ao meio, ficando para combate o preconceito e a discriminação.
Pais de autistas necessitam de muito conhecimento espiritual, estudar afins, reforço da fé racionada, esperança acalentada no trabalho e dando amor é que conseguirão suplantar a oportunidade de progresso do filho ou da filha.
Aprendemos observando e sentindo que para educar um autista, é educar-se em relação a eles, e não é necessário ser professor.
Temos exigências, logo descobrimos que somos educadores e isto nos deixa em estado de graça.
O autista é aluno e simultaneamente nosso professor. Sua máxima é que ele ensina rapidamente, coisas para viver e coisas para nos dar prazer.
Pela decorrência de um longo processo de amoroso trabalho, "Ô meu Deus" como é bom ler Priscilla Siomara, Mônica Accioly, Vó Mara, Fausta, Claudia Marcelino, Cris, Lena, Wannya, Cláudia Moraes, Liê, Sergia Cal, Yvonne Falkas, Valéria e tantas outras aqui e ali, com suas variações sobre o mesmo tema.
Todas "Mães Excepcionais", integrantes de uma odisséia de rara beleza, cumpridoras dos seus papéis, sem serem coadjuvantes, mas com atuações honestas e divinas.
Vocês todas, Amadas do Caminho, são extensionistas que continuam se doando e contribuindo sabe Deus a que preço para levar nossos filhos autistas a participar da vida cotidiana e ao bem estar da família, mesmo que vez por outra pelo imediatismo social ou o inconformismo, sejam injustiçadas e incluídas entre os menos interessados pela causa.
Nesta interação não há discriminação, há somente a dignidade em honrar o ser humano como único compromisso.
Uma vez me disseram que eu gostava de sofrer só por que me envolvi demais com a síndrome. Entendi que sofria sim, mas não por mim, pois que emprestava o sofrimento dos outros e os metabolizava. Tinha muito para dizer, mas não sabia como falar.
Falar é com a voz de perto, mas escrever é dizer alguma coisa mudamente, de longe. O falar ouve-se com os ouvidos, mas o dizer escuta-se com o pensamento igual vocês costumam fazer.
Alguém registrou que o confronto com o Autismo, nos leva a ficar entre a benção e a maldição.
Benção porque as mínimas coisas simples que dele resultam, podem ser grandiosidades que nos levam a euforia.
Maldição porque nós, pais de autistas somos ambiciosos.
A dor para nós é mais intensa, por que sofremos de complexo de superioridade, pois não admitimos o contrário no enfrentamento da síndrome.
Remédio para o autismo existe, sim.
São vocês, "Mães Excepcionais" realizadas no prazer de preservar seus filhos, provocando expurgos para garantir sua autoridade invariavelmente enfraquecida pela falta de legitimidade de quem as critica.
E cura também.
Na Luz e na Paz

Texto do autor já publicado
Foto=Google