Autista, Autismo, asperger, criança autista, pessoas com e deficiencia, deficientes, TDAH

Loading...

domingo, 28 de março de 2010

Crianças Índigo




 Durante o vendaval de previsões caóticas e utópicas que varreu o final do século XX, até o fim do mundo foi previsto com data e hora marcada, porém, com ressalvas: ficava combinado que esse fim não seria total. Provavelmente algumas lutas e confrontos próprios da humanidade chegariam ao final, catástrofes seriam pontuais, mas nada definitivo.
Sendo assim, os profetas do apocalipse que especularam sobre o final dos tempos na transição para o terceiro milênio, ganharam o seu dinheirinho, mas foi suado para convencerem alguns sobre o que ia acontecer.
Mas o assunto não parou por ali.
Escritores sobre autoajuda publicaram um livro narrando fatos e observações sobre as “Crianças Índigo”, que estavam chegando ao mundo a partir da década de 70, a partir da expressão cunhada por uma parapsicóloga, caracterizando as crianças que tinham a aura azul se destacando das demais.
O mundo inteiro impregnado de mazelas assistiu o parto do novo milênio com ordem, esperança e espiritualidade renovada.
Já no início do novo milênio, o assunto das crianças que se diferenciavam das demais pelo seu comportamento de rebeldia e hiperatividade muito peculiar pegou fogo, igual em capim seco, em todo o mundo.
As crianças índigo começaram a ser observadas por psicólogos, psicoterapeutas e pedagogos, pois alguns luminares do comportamento humano já decretavam a opção pelo mecanicismo protocolar do apoio médico.
Felizmente outros segmentos da psicologia concluíram que se tratava de uma nova geração, pois as crianças de aura azul possuidoras de alto nível de inteligência, não podiam ser confundidas com outras portadoras de distúrbios comportamentais, principalmente aquelas que reencarnaram em massa a partir dos anos 80 do século passado.
A criança índigo tem absoluto controle do que faz. É rebelde, não gosta de esperar, não é capaz de permanecer sentada determinado tempo, não demonstra medo de nada, e não teme ameaças. Com elas não se consegue fazer chantagens emocionais.
Seus sistemas neurológicos são diferenciados por isso mesmo os pais não devem tratá-los precipitadamente nas suas avaliações.
Quando a confusão se apresentar deve-se procurar orientação apropriada e ter a sensibilidade de perguntar o que eles estão vendo ou sentindo.
Dêem ouvidos a elas. Concedam a elas a oportunidade de ensinarem o modo de compartilhar seus atributos espirituais.
O desafio da educação de uma criança índigo pode passar pelo método Montessoriano ou Waldorf onde a pedagogia consiste em amor a criança, e não a um adulto em miniatura como estamos acostumados a ver na mídia que só induz à ganância.
A criança índigo matriculada em escolas convencionais tornam-se praticamente insuportáveis. Depois de diagnosticadas, seus responsáveis devem impedir a todo custo submetê-las ao imediatismo das drogas de obediência, onde seu cérebro carregado de substâncias químicas fica acessível, mas ela vai perder a espontaneidade e mais tarde na adolescência certamente derrapará na drogadição por necessidade.
É inevitável a verdade de que o mundo a partir da 2ª Guerra Mundial passa por mudanças expressivas e rápidas, principalmente com as gerações jovens.
A igualdade social e profissional da mulher com os homens. O interrelacionamento familiar onde tudo foi substituido por você, no tratamento com os pais. O relacionamento sexual irresponsável do filho ou da filha que denominam de ficar.
O pai, além de ausente, agora divide as obrigações com a esposa para garantir o sustento do lar e os adultos de maneira abrangente trazem valores morais às crianças sobre qualquer assunto.
No Livro dos Espíritos a Lei do Progresso submete tudo e a todos à incessante evolução, sempre compreendida pelo homem.
Não é de se estranhar que a atmosfera fica mais limpa após as tempestades e o solo mais generoso.
Sendo assim no mundo físico, porque seria outra a sistemática quanto à Humanidade?
Podemos citar o espírito Erasmo em O Livro dos Médiuns: “Melhor é repelir dez verdades do que admitir uma falsidade, uma só teoria erronea.”
André Luiz, na série “A Vida No Mundo Espiritual” conta notícias de auras e cores, em vários dos seus 13 livros psicografados por Chico Xavier e alguns junto com Waldo Vieira.
Em “Os Mensageiros”, no capítulo 24, quando se refere a um Espírito evoluído — Ismália, em preces —, com luzes diamantinas que do tórax irradiavam todo o corpo. Dois outros Espíritos que acompanhavam Ismália estavam quase semelhantes a ela, “como se trajassem soberbos costumes radiosos, em que predominava a cor azul”.


Divaldo Pereira Franco no seu livro A Nova Geração: A visão Espírita sobre as Crianças Indigo e Cristal, acredita que já temos uma juventude que está fazendo a transição do mundo de provas e expiações, para o nível de mundo de regeneração.
Em nossos dias, podemos concordar com o mais humilde dos cientistas, que o tempo e o espaço se encontram tão intimamente ligados que é inconcebível um viver sem o outro.
Na Codificação do Espiritismo nada há sobre “crianças índigo” no entanto, em se tratando de transição planetária não conheço nenhuma religião ou sistema que trate desse assunto com tanta propriedade, pelo que concordo em ter as crianças índigo sob o abrigo da Doutrina dos Espíritos.
Estou sugerindo assim que os irmãos de ideal espírita devem refletir se devem aceitar ou não o que se diz sobre as crianças índigo.
Deixo claro que nada me autoriza a fazê-lo em nome do Espiritismo
Devemos dar aos nossos filhos o máximo de atenção, pois eles nos abençoarão por isso. Devemos amá-los incondicionalmente. Abençoá-los vigorosamente, pois conosco eles estão compartilhando a paz, harmonia e alegria.
Sejam eles Índigo, Cristal, ou não.