Autista, Autismo, asperger, criança autista, pessoas com e deficiencia, deficientes, TDAH

Loading...

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Evento em Porto Alegre - Final

Isso não é bem assim não!
Esses instrumentos "não valem" como pesquisa, mas na clínica o PEO-R é aplicado, tem seu valor e ninguém questiona isso. Mas não é instrumento diagnóstico como o CHAT, M-CHAT, ADOS, ADI-R.
Porque não falaram do diagnóstico precoce onde entra o CHAT e o M-CHAT
A própria Cleonice aplica o AID-R, que tem mais de 100 questões - em nossa prática é inviável. Ela é uma das poucas pessoas no Brasil que tem a certificação para isso
                                                       O CARS tá validado.

Dr. Walter Camargos

Conclusões sobre Pesquisa em Autismo - Porto Alegre


Amigos, as minhas conclusões depois de participar do evento em Porto Alegre foram as seguintes:

1. Não temos mais como fugir do diagnóstico precoce. O problema é que no Brasil ainda não se tem uma política de triagem que olhe pra isso. O ponto é realmente formação de profissionais para essa parte.

2. Não temos instrumentos validados no Brasil que nos ajudem nem na avaliação nem no follow up dos casos. O que temos são os critérios internacionais, e poucos (ou quase nenhum) protocolos mais sistematizado. Falou-se muito no CHAT, M-CHAT, ADOS, ADI-R, mas não há ainda validação pra uso. O CHAT e MCHAT sim, os demais, ainda não. Nenhum instrumento nacional apareceu ainda pra isso e é uma boa sugestão para novas pesquisas.

3. Já que foi um evento mais voltado para a área médica, não foi apresentada nenhuma pesquisa educacional. Mas, tinha uma fala destinada ao MEC, portanto, da parte escolar. Mas nem mesmo a representante do MEC conseguiu mostrar o que se está fazendo pela inclusão. Nenhum pesquisador da parte escolar foi convidado pra mostrar as produções brasileiras na parte educacional. O mais perto (ou longe) disso foi a apresentação da Marli, da AMA. Se a idéia era concentrar o maior número de pesquisadores brasileiros, em minha opinião, faltaram representantes da Educação.

4. Em termos farmacológicos, a unanimidade foi com o uso da Risperidona, lembrando sempre da possibilidade real de ganho de peso (todos falaram isso) e possíveis associações desta com outras substâncias. Lembraram também de que uso de remédios se restringe aos sintomas reforçando que não existe remédio para AUTISMO.

5. Também se falou muito da falta de elementos científicos para a recomendação de dietas livres de glúten e caseína e uso de vitaminas.

6. Recomendaram o uso do termo T.E.A (Transtornos do espectro autista)

Resumo da ópera: o saldo foi positivo.
Fiquei surpresa com uma fala do Dr. Riesgo, quando em um dado momento, pediu a palavra para falar que algumas pessoas estariam "falando mal" do evento em "redes sociais da internet" (postando críticas ao evento). Ele pediu para quem estivesse lendo, ajudasse a comissão a neutralizar tais comentários. Nós, do grupo, não soubemos se a carapuça serviria pra nós, visto que ninguém do grupo fomentou nenhuma crítica direta. Mas, ao mesmo tempo, eu e Fausta estávamos mandando notícias pela rede. Fiquei na dúvida se aquilo seria pra mim, mas no final das contas, relendo o que eu já havia postado, fiquei sossegada, pois nada do que nós enviamos para vocês, foi "falar mal". Ao contrário, a nossa idéia era realmente socializar o que estávamos vendo. E o saldo foi evidentemente positivo, a idéia foi grandiosa e a experiência, de grande valia.
Pode ser que algumas outras pessoas tenham entendido mal, e enviado alguma coisa maldosa, sei lá. E isso pode ter chegado aos ouvidos da comissão.
Nossa consciência está tranquila.
Até porque queremos acreditar que nenhum membro do nosso grupo funcionaria como "dedo duro" contando ou repassando as nossas informações com maldade para alguém da comissão.
Deixei os meus parabéns para todos de lá, e estamos prontos para outra oportunidade, quando tiver.
Espero ter ajudado um pouco a contar o que vimos por lá.
Maria Elisa Granchi Fonseca
Psicóloga