Autista, Autismo, asperger, criança autista, pessoas com e deficiencia, deficientes, TDAH

Loading...

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Sobre o Trabalho do doutor LOVAAS

Uma considerável perda para o mundo autista com certeza, embora a afirmação abaixo que é
"possível levar uma criança com o transtorno a interagir com o mundo de maneira similar a uma criança com desenvolvimento típico" seja em alguns (poucos) casos uma realidade, também tem seu custo, às vezes bastante alto para a própria pessoa autista.
Não estou falando que não devemos tratá-las, mas a modificação do comportamento a qualquer preço, em qualquer grau, sem levar em consideração que são pessoas diferentes de nós e por isso com funcionamento diferente do nosso, e que encontram conforto em coisas e ambientes diferentes dos que encontramos, muitas vezes nem é justa e nem respeitosa.
Tirando excessos cometidos em diferentes áreas (não apenas na comportamental), o trabalho de Lovaas é valoroso.
Lilia Janbartolomei

Morre o Dr. LOVAAS, Ole Ivar


O Psicólogo e Analista do Comportamento americano criador do método pioneiro no tratamento de indivíduos com o transtorno de espectro autista.

O doutor Ole Ivar Lovaas foi pioneiro no tratamento de crianças com transtorno de Espectro Autista, criando um dos métodos mais conhecidos do mundo.

Ele havia demonstrado, no ano de 1987, que em alguns casos era possível levar uma criança com o transtorno e interagir com o mundo de maneira similar a uma criança com desenvolvimento típico. Seus trabalhos eram baseados nos princípios da Análise do Comportamento Aplicada, abordagem da Psicologia fundamentada no Behaviorismo Radical, de Skinner, e que tem se mostrado a mais eficaz no tratamento do Espectro Autista.

De acordo com um membro de sua família, ele estava se recuperando de uma cirurgia e foi vítima de uma infecção, a qual o levou a morte no dia 11 deste mês..

Lovaas deixou contribuições conhecidas e utilizadas mundialmente no tratamento de desordens do desenvolvimento. É, com certeza, uma perda lastimável para toda a comunidade de profissionais que trabalham com estas crianças.
Fonte: Los Angeles Times