sexta-feira, 9 de agosto de 2019


quarta-feira, 7 de agosto de 2019


segunda-feira, 5 de agosto de 2019

A questão dos direitos das pessoas com surdez unilateral e visão monocular.

Tenho defendido os direitos fundamentais das pessoas com surdez unilateral bem como das pessoas com visão monocular nas mesmas bases da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, assinada em Nova Iorque, que no Brasil adquiriu o status de Norma Constitucional e que como tal deve ser aplicada (todas as PcD incluídas, sem distinção de qualquer espécie ou funcionalidade).

Sem embargo, suscito à Administração Pública que atue uma fiscalização tão eficaz quanto necessária no sentido de que os espaços sejam a todos indistintamente disponibilizados, sem discriminações de quaisquer naturezas. É claro que os graus de limitação e de funcionalidade podem acarretar alguma prática menos nobre da parte dos mercados e mesmo do Poder Público quanto ao aproveitamento das Pessoas com Deficiência em geral. No entanto, a Classificação Internacional de Funcionalidades (CIF) não se presta a isso e só pode ser manejada, constitucional e logicamente, para avaliar condições de acesso e de reabilitação dessas Pessoas, quanto às adaptações razoáveis que devam ser procedidas para garantir-lhes empoderamento e vida independente no exercício de seus respectivos trabalhos (empregabilidade).

Ter maior ou menor limitação, pois, traduz uma contingência absolutamente irrelevante - do ponto de vista legal - para se tratar com igualdade em relação às demais Pessoas, com ou sem deficiência, no plano do 'socius', assim no setor público quanto no setor privado.

A luta é árdua, mas vale sempre a pena empreendê-la para o bem de toda a cidadania e para um futuro de Justiça real para o Brasil (o que rechaça o caráter meramente formal da isonomia). Mais importante é a união de todo esse contingente. Para isso, as PcD em geral precisamos conquistar espaços a fim de que possamos demonstrar que somos plenamente capazes de empreender o nosso próprio destino, de lutar eficazmente pelos nossos objetivos e pelo bem da Nação com proveito e sobranceira aplicação. NADA DE NÓS, SEM NÓS!

Ao fim, a Convenção de Nova Iorque, incorporada no Brasil com 'status' de norma constitucional, não admite a hierarquização das deficiências, quer em razão do tipo (física, intelectual, psicossocial, sensorial ou múltipla) quer em razão do seu grau de intensidade (leve, moderada, severa ou parcial).

Desse modo, lutar é sempre preciso para combater as heresias da Administração Pública bem como do setor privado da sociedade nessa área da Inclusão Social das Pessoas com Deficiência no Brasil. É por isso que postulamos espaço no Supremo Tribunal Federal, simbologia afirmativa a repercutir positivamente em muitos outros campos de atuação relevante para todos, sobretudo aqueles menos favorecidos de nossa sociedade dentre os quais se destacam as Pessoas com Deficiência em geral.

Ainda viveremos um cenário de plena inclusão social das pessoas com deficiência, pois os direitos humanos não são de modo algum relativizáveis.

Roberto Wanderley Nogueira.

terça-feira, 23 de julho de 2019

CENSO DO IBGE 2020 PARA AUTISTA: ESTÁ EXPLICADO OU TEM QUE DESENHAR?

O Censo do IBGE, que contempla “todas as Pessoas com Deficiência”, não considera o CID de cada uma, pois para ele não existe “pessoas com deficiência” apenas autistas, e ao que tudo indica o projeto aprovado no Senado Federal não será sancionado pela Presidência da República, por que as informações deverão ser obtidas pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) conforme a presidente do IBGE Suzana Cordeiro Guerra em vídeos.
Desconsiderando as condições de vida da população autista brasileira, os políticos de plantão durante 10 anos não perceberam o obvio, deixando o IBGE que não tem nada a ver com isso, validar a metodologia que agora é tarde para ser alterada, desconhecendo a condição, justificada pela inexistência de dados oficiais sobre o autismo nas áreas de educação, saúde e assistência social, sem tramitação nas comissões temáticas.
Pais de autistas vêm batalhando há anos, a exemplo do que fizeram com a Lei 12.764/12 que transformou o autista em cidadão e com a LBI - o Estatuto da Pessoa com Deficiência que ratificou leis alertavam que se o projeto de lei fosse aprovado no decorrer de 2018, derrubando burocracias, o IBGE teria incluído os autistas no Censo 2020. Palavras ao vento. Agora nada se pode fazer, enquanto os políticos continuam dormindo em berço esplêndido.
Os jacarés que nestas ocasiões emergem para surfar nas ondas do autismo, dizem o que as plateias mal informadas querem ouvir, não sabem o que estão falando. São discursos confusos, contraditórios e minimalistas contradizendo questões por inexperiência. Em vez de ajudar, prejudicam. São tiros nos pés de milhões de brasileiros na condição. São gol contra no último segundo do jogo da decisão. Alguns até querem reinventar o fogo. E o Brasil até para fazer um censo sobre a existência de autistas é incapaz e dependente de grupos estrangeiros, como se estivéssemos ouvindo falar em autismo pela primeira vez.
Alguém sempre tem que ser culpado, então, desta vez a culpa é do Ministro Guedes que manda cortar gastos e do Presidente Bolsonaro que referenda. Embora questionamentos mil inclusive da Srª Bolsonaro, os autistas não devem ser incluídos no Censo 2020 do IBGE, por que tem justificativa técnica: a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) com padrões alienígenas, que além de desconhecerem a realidade brasileira acontece só em capitais.
O Presidente Bolsonaro tem até o dia 26 para vetar ou não o projeto de lei. Pode também ouvir de alguém que saiba o que é autismo e um autista, o que são “pais de autistas” porque o Brasil precisa com extrema urgência de uma melhor visualização da tragédia que se avizinha e levar conhecimento à população em geral sobre o tema, desmistificar diversos conceitos – e preconceitos – que o senso comum dissemina em torno do assunto.
Nosso desejo continua o mesmo, ver o nome do Presidente Bolsonaro e sua esposa, gravado indelevelmente na história, pelo que podem fazer em favor das pessoas na condição de autistas ou não, e não estigmatizado por falta de conhecimento do que acontecia antes da sua gestão, na eminência de ser continuado, razão pela qual ao tirar essa população das páginas do livro da desesperança, elas comecem a ser visíveis de fato e de direito, ou nos dê uma razão que nos conforte para esperar até o Censo IBGE de 2030.
Nilton Salvador
16.07.2019
rosandores@gmail.com

O “bom CENSO” DO AUTISMO NO BRASIL



O “bom CENSO” DO AUTISMO NO BRASIL

Desculpem a invencionice entre aspas no título, mas depois de apanhar por ter afirmado que a “inclusão” do autista no Censo do IBGE em 2020 era mais uma utopia que dificilmente pode acontecer, sem generalizar a gritaria foi um prejulgamento de alguns pais de autistas que são egoístas e perigosamente discriminadores que só veem o seu lado.
A Organização Mundial da Saúde (OMS), estima à existência no mundo de uma em cada 160 crianças com transtorno do espectro autista. Nos Estados Unidos, é de uma em cada 59 com 15% de acréscimo sobre as estatísticas de 2018, em relação aos dados de 2016. No Brasil, 1% de 204 milhões de habitantes, porém ouvimos que são somente 2 milhões há dez anos.
Instituições de saúde internacionais reforçam que é impossível tratar estas estatísticas com precisão, pois são inexistentes em muitos países, entre eles o Brasil, que incrivelmente não tem dados oficiais da população com TEA.
Na medida em que a conscientização do autismo foi avançando, no estado do Paraná, em abril de 2013 foi sancionada a Lei Péricles de Mello nº 17.555, que em suas diretrizes para proteção dos direitos, estabeleceu a criação de um cadastro visando dados para auxilio as famílias da pessoa com TEA.
Em 2016 foi acrescentada no Código de Saúde de Curitiba a lei pioneira de autoria do vereador Pier Petruzzielo, que expressa à realidade sem falso positivo por instrumentos de triagem, visando o Diagnóstico Precoce e o rastreio do TEA na rede municipal de saúde. O modelo é copiado e é aplicado em incontáveis municípios do país.
Em 10 de julho de 2018 a governadora Cida Borghetti sancionou a Lei Nº 19.590/18 que criou o Programa Censo quadrienal de Pessoas com TEA (Transtorno do Espectro Autista) e seus familiares no Estado do Paraná, via cadastro digital em link específico da Secretaria estadual de Saúde.
Como se observa, onde há interesse, apesar dos percalços, coisas boas acontecem.
Depois de passar pelas comissões da Câmara dos Deputados, o PLC 139/18 apresentado pela deputada federal Carmen Zanotto em 2016, estava na ordem do dia no plenário do Senado no dia 25 de junho, para incluir especificidades inerentes ao autismo nos censos demográficos do IBGE, sendo um evento festejado em todo o Brasil.
Na ocasião o senador Fernando Bezerra Coelho apresentou um requerimento retirando o projeto sugerindo apresentar uma emenda para que a coleta de dados sobre autismo não seja feita por meio de censo, mas sim pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) que segundo ele essa mudança foi acertada com a autora da matéria.
O IBGE tinha conhecimento da proposta, justificou a deputada, mas representantes do órgão alegaram que não tinham como incluir as perguntas sobre o autismo na metodologia já estabelecida, pois iriam reduzir inclusive o questionário do Censo 2020 para cortar gastos.
Considerando iniciativas louváveis, a exemplo da Lei Pier Petruzziello existente em Curitiba, isoladamente cada cidade pode fazer o seu cadastro de autistas, adaptando-se às peculiaridades do Estado. 
O PENAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua só pesquisa nas Capitais e Regiões Metropolitanas, porém nenhuma iniciativa fora da abrangência dos padrões do IBGE tem validade, pois seu resultado é o embrião oficial do nascimento das políticas públicas, que sem as quais os autistas continuarão mendigando visibilidade.
Pais de autistas, autoridades e figuras representativas foram às ruas e, pelos mais variados meios de comunicação foi reiterada a inclusão dos autistas no Censo do IBGE, que até onde sabemos está para sanção do governo federal que se equivocou ao instruir a retirada do projeto não com base em contenção de gastos, mas certamente por não ter conhecimento algum sobre autismo e autistas, enquanto conversavam a respeito com as pessoas erradas.

Começamos a discussão dessa necessidade em 2014 quando pais de autistas de todos os quadrantes do Brasil, unidos pelos mesmos interesses para que seus filhos não sofram mais do que o inevitável, e só agora foi vislumbram a possibilidade.  
Se pararmos para pensar que políticas públicas para os autistas devem ser construídas para garantir direitos, e considerando que até a Lei 12.764/12 foi mutilada pela ideologia política malsã que reinou em nosso país, é evidente que quanto menos se souber quantos autistas compõe esta população, menos imprescindíveis e urgentes serão estas providências, pois se ainda nada lhes é possibilitado de proteção, aos olhos das autoridades atualmente transparece que, é melhor que não sejam contabilizados.
Entendam-me, por favor.
“””Não existem “pessoas com deficiência” apenas autistas. Existe lei específica para autistas, a 12.764/12, ratificada pela Lei Brasileira de Inclusão - Lei nº 13.146/15 e mais, cada PcD tem sua característica. O Censo do IBGE, já contempla “todas as Pessoas com Deficiência”, não levando em conta o CID de cada uma”’’”.
Para você que me leu até aqui, tenho duas notícias: uma boa e outra ruim.
A boa é que o Senado Federal aprovou o projeto que contempla a inclusão do autismo nas pesquisas do IBGE 2020 e que só depende da sanção presidencial.  
A ruim, é que o governo alegando redução de custos que o IBGE falou e, como desgraça nunca vem sozinha, o detalhamento de informações sobre a população em geral deverá ficar menor, o que por consequência os autistas correm o risco de serem mantidos como excluídos, pois o governo leia-se IBGE, pode perguntar: por que este PLC se já existem leis neste sentido?
Entendeu? Não?
Então vamos lá: autista é “Pessoa com deficiência”, Artº 5º da nossa Lei Maior e pelo “””Artº 1º da Lei 12.764/12 “””§ 2º - A pessoa com transtorno do espectro autista é considerada pessoa com deficiência, para todos os efeitos legais. ”””.
O Brasil necessita evidentemente com extrema urgência de uma melhor visualização do autismo. Não adianta culpar o Presidente Bolsonaro ou o Ministro Guedes pela falta de um extrato da população autista que precisa ser aferida, só devem determinar que se faça alguma coisa, pois estamos sujeitos à pandemia mundial de autismo para a qual não estamos preparados, providências precisam ser tomadas com brevidade, e não ficar esperando o IBGE bater de porta em porta, mesmo que seja uma missão para 2030.
Tem aquela ideia da Srª Bolsonaro, da Srª Moro e da Irmã do Ministro Guedes da criação de um programa de voluntariado. Para dar certo, no caso dos autistas, basta chamarem pais de autistas que entendem da coisa.
Autismo não nos deixa derrotados enquanto perdemos, mas no momento em que desistimos. A vida registra nossos erros, acertos, vitórias e derrotas, conquistas e revezes. Ignorar a falha não muda o que vivemos.
Esconder nossas perdas não nos torna vencedores, só nos aproxima do aprendizado e crescimento em tudo mais que vivemos.  Não elimina o sofrimento, mas lhe dá sentido.
Enquanto for possível perguntar quantos autistas existem no Brasil, não há quem aguente um censo de dez em dez anos.
 Já estivemos piores, mas, paciência e “bom sendo” é nossa síndrome. Até quando? 
Não importa, pois com a violência dos golpes, se cairmos é preciso entender que ser pai ou mãe de um filho ou uma filha autista, enquanto estivermos de pé, não foi uma cilada.
Foi amor.
Nilton Salvador – 10.07.2019

terça-feira, 2 de abril de 2019

domingo, 17 de março de 2019

Empresa emergente descobre nova forma de tratar autismo

Empresa emergente descobre nova forma de tratar autismo: Stalicla, uma startup genebrina, recorre a algoritmos para definir perfil biológico de cada grupo de autistas e, assim, identificar fármacos mais ...

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

- Autismo - WORKSHOP INTERNACIONAL



Dr. Daniel Valdez (Argentina)

Docentes:
Dra. Karina Solcoff (Argentina)
VAGAS LIMITADAS
DESCONTO PARA INSCRITOS ATÉ O DIA 15/08.

Conteúdo programático
- Comprensión del autismo desde el desarrollo
- Inteligencia emocional, relaciones interpersonales y teoría de la mente.

- Ayudas para la comunicación y el aprendizaje.
21 de setembro de 2018 - Horário: das 13h30h às 18h30
- Memória Autobiográfica e Espectro Autista

22 de setembro de 2018 - Horário: das 08h30h às 18h30

Curitiba - Paraná

Rua: Rockefeller, 11

http://www.institutocompletude.com.br/formacao-profissional-avancada-em-tea
Bairro Rebouças - 80 230 000 ( ao lado do Shopping Estação)

Inscrição e Investimento:
Telefone: 41 - 99971-8720
Curso Formação Profissional Avançada

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

http://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI284982,101048-Jovem+autista+tem+direito+a+repetir+de+ano+na+escola+se+for+em+seu

sexta-feira, 27 de julho de 2018

AUTISMO - Evento Imperdível

RESERVE NA SUA AGENDA! 
21 e 22 de setembro
Em CURITIBA - PR

Daniel Valdez e Karina Solcoff
Aguarde programação.

domingo, 15 de julho de 2018

O Autismo perdeu RONALDO CRUZ

Ativista da causa de conscientização do Autismo, Funcionário Público, Administrador, Músico, Produtor e Promotor de eventos, Co-criador do Hino Nacional do Autista, Idealizador da Rede Unificada Nacional e Internacional em Defesa do Autista.
Este blog está de luto.
Não postaremos nos próximos dias
Sua volta para a Pátria espiritual pode significar mais força ainda pelos sonhos que você tinha para os autistas do Brasil.
 

terça-feira, 10 de julho de 2018


Olá bons amigos.
Como sabem, a Lei Federal  2.764,  de 2012, que trata de direitos dos autistas, é  a conhecida Lei Berenice Piana.
Tive  o prazer de ser recebido na primeira Escola- Clínica de Autismo de Itaboraí por sua idealizadora Berenice.
Compartilho com vocês essa minha alegria que fortalece minha caminhada  desde 2015 pelo Mundo Azul, o  Labirinto do Amor.
Abraço fraterno a todos.
Oswaldo Freire
09.07.2018


domingo, 8 de julho de 2018

PARANÁ GANHA PROGRAMA DE ATENÇÃO AO AUTISMO





        A governadora Cida Borghetti estabeleceu no dia 26 de junho no salão de atos do Palácio Iguaçu, o Programa de Atenção ao Autismo quando assinou o convênio com o Scott Center for Autism Treatment, da Florida Institute of Technology (EUA) para implantação da Análise do Comportamento Aplicada (Applied Behavioral Analysis – ABA), com duração de dois anos, fazendo do Paraná o pioneiro e o Brasil o 30º país receber esta tecnologia.

      O Programa de Atenção ao Autismo nasceu a partir das demandas apresentadas à governadora Cida Borghetti, depois de ouvir as reivindicações feitas por pais de autistas, grupos ativistas e representantes de associações, durante as celebrações do Dia Mundial da Conscientização do Autismo, no Seminário Internacional sobre Transtornos do Espectro Autista realizado nos dias 16 e 17 de abril no plenário da na Assembleia Legislativa do Paraná e no Palácio Iguaçu.
      

Estão previstas no programa, o levantamento da incidência do autismo no Paraná, a partir de cadastro disponível no site da Secretaria de Estado da Saúde que vai nortear as ações e políticas públicas possibilitando com isso a capacitação para cerca de três mil servidores das áreas de saúde e educação, destacando-se o fato de que o Paraná será dono da tecnologia por transferência vitalícia do projeto idealizado pela psicóloga Amanda Bueno, com o apoio da comunidade e políticos com voz pró-autistas.

      Com a adoção do programa internacional de capacitação de familiares e cuidadores Autism Speaks, consolida o CRAID - Centro Regional de Atendimento Integrado ao Deficiente já estruturado como centro de referência estadual no atendimento à pessoa com autismo. 
      É preciso muito mais, porém, o lançamento do Programa de Atenção ao Autismo traz muito alento a milhares de pais iniciantes ou não na luta contra a dor do diagnóstico para percorrer os mesmos caminhos, reflexões e consensos de verdades vivenciadas pelos mais experientes.
 Pais de autistas, crianças, especialistas, associações e ativistas, por suas ações foram levados à emoção pela governadora Cida Borghetti ao enaltecer o trabalho de todos, do vereador Pier Petruzziello, do deputado estadual Péricles de Mello, da deputada estadual Maria Victória, e dos demais integrantes do grupo de trabalho com o início de uma política pública de saúde do Paraná que tira das rotas que convergiam o autismo para lugar nenhum ou do redesenho de ideias superadas, fazendo história com um novo olhar em direção do bem-estar da população autista paranaense e quem mais chegar.


     





quinta-feira, 1 de março de 2018

Curitiba será pioneira no atendimento da criança com autismo

O prefeito Rafael Greca firma nesta quinta-feira (1/3), às 8h30min, no Salão de Atos do Parque Barigui, uma parceria pioneira no Brasil com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Fundação Autism Speaks para o desenvolvimento de crianças com autismo em Curitiba. O programa vai capacitar pais e familiares de crianças com autismo para serem protagonistas na melhoria da qualidade de vida dos pequenos.
O lançamento da parceria faz parte da agenda comemorativa pelo aniversário de 325 anos de Curitiba, celebrado em 29 de março.
É a primeira vez que a OMS e a Autism Speaks efetivam uma parceria com um poder público municipal. Até agora, os convênios vinham sendo firmados entre a OMS e governos federais.
Curitiba coloca o Brasil como 30º país a receber o programa e a cidade será pioneira ao servir de piloto para um modelo de parceria da OMS com um município.
“Vamos formatar um modelo próprio de aplicação da metodologia da OMS-Autism Speaks. O objetivo é, nos próximos cinco anos, impactar todas as famílias com crianças com autismo de 2 e 9 anos de idade”, explica a secretária municipal da Saúde, Marcia Huçulak.
O foco é atender famílias de baixa renda, dando instrumental para que pais e familiares compreendam as necessidades cognitivas das crianças e contribuam com seu desenvolvimento nas ações diárias.
Para treinar as primeiras equipes que irão transmitir os conhecimentos a pais e familiares, a OMS e a Autism Speaks terão o apoio do Instituto Ico Project, uma ONG curitibana de apoio a crianças com autismo, e da Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal da Saúde.
Passo a passo do programa
Nesse primeiro momento, além dos profissionais (máster) treinados para repassar os conhecimentos, a parceria vai capacitar famílias de crianças com autismo em um módulo piloto do projeto, adaptando-o culturalmente às necessidades locais.
O projeto funciona em sistema de “pirâmide” do conhecimento. O máster ensina vários facilitadores, que vão replicar o conhecimento a pais e cuidadores.
Na etapa seguinte, profissionais da Atenção Primária da Saúde serão treinados como facilitadores, ampliando exponencialmente a rede de pessoas com condições de dar suporte ao desenvolvimento das crianças.
A parceria também conta com o compromisso de cooperação de pesquisa científica e terá a participação da especialista em Saúde Mental na Infância e Adolescência, Transtornos do Espectro Autista, Cristiane Silvestre de Paula.
Serviço: lançamento do Programa Internacional de Capacitação de Familiares e/ou Cuidadores de Crianças com Atraso de Desenvolvimento/Autismo em Curitiba

Data: quinta-feira (1/3), às 8h30min.
Local: Salão de Atos do Parque Barigui

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018


Post em  02.01.2018 

Sua explicação senhor Marcos Mion, tem nome e sobrenome: Discriminação e Preconceito.
O senhor acaba de publicar a sentença, de que seu filho autista está condenado ao desprezo da família e da sociedade, no presente e no futuro incerto.
Há tempo do senhor se recuperar dessa atitude.
Minha nota para o senhor é "dó".
Nilton Salvador
Pai de autista


--=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=

Tendo em vista a repercussão sobre o assunto da publicação do post acima citado, 
com as mais diferenciadas opiniões dos leitores, fiz um comentário:

POST EM 03.01.2018 em
https://www.facebook.com/nilton.salvador

O AUTISTA DO APRESENTADOR

   Ao ser questionado por não levar o filho em viagem familiar, o apresentador Marcos Mion explicou que ele não lida bem com o cronograma desse tipo de passeio, por estar na condição de autista.
 A meu ver todo o glamour que a grande mídia e as redes sociais, afins ou não, deram ao fato comum sobre o dia a dia de uma família que tem um autista em casa, não vem ao caso o grau do TEA, pode ter sido a senha para que neste começo de ano, o Brasil esteja lançando um novo olhar sobre cerca de três milhões de autistas onde pouquíssimos são vistos pela população, por alguns críticos de ocasião que geralmente demonstram não saber do que falam e pelo governo que quase nada vê.
O senhor Marcos Mion discriminou seu filho autista sim, mesmo não sendo fácil escolher as palavras certas para descrever coisas do autismo e de um autista, enquanto o mundo nos cai em cima.
É possível que minha observação apresente falhas, precise de ajustes, ou alteração de pontos de vista, porém, tudo isso não diminui a sensação de preconceito e discriminação que ele causou por dizer o que disse sobre a condição do filho e por isso mesmo, pela atitude mantenho a nota que lhe dei.
 O autismo agora descrito como espectro, embora muitos ainda o confundam com “uma doença grave”, para mim continua sendo um atentado que escolheu alguém para vítima, mas nem por isso pode ser visto como uma reles desculpa alteradora de rotinas que impeça a salutar convivência familiar.
 Alguns pais como é o caso apresentador, demonstra ter capacidade adaptativa reduzida para superar situações inesperadas como a do seu filho autista e pior, está convencido do que, “o que ele gosta”, o menino “não tem porque não gostar”, por isso decide deixá-lo em casa, enclausurado, excluído da família e da sociedade. Isso se chama preconceito.
O autismo continua sendo um dos mais extraordinários e perturbadores desafios das nossas vidas, pois nos confronta com algumas das mais elementares verdades da nossa condição, seja qual for à origem ou a condição social em que nos situemos.
 Singelamente pais de autistas, defendem seus filhos usando a sua razão, cada um a seu jeito, se esforçando para desarmarem o espírito de ideias preconcebidas de que deficiência só existe para outros, que criam limitadores e impedem oportunidades.
 Bendita existência dos avós com os quais o filho do apresentador gosta de ficar, pois a afinidade do pai reduzida está voltada para a mãe e demais filhos que ao não viajarem juntos, salvam suas rotinas. Espero que não se apeguem a asneira de que “avós só servem para estragar os netos.”.
 Autistas em nosso país também sofrem de deficiência social. A maioria com as desvantagens de quem começa atrás para se equiparar àqueles mais favorecidos pela vida. Nada os desmerece, então, será que na condição econômica do apresentador não caberia um competente cuidador, terapeuta, personal trainer, e outro a selecionar que permitisse a companhia do menino? Não! Ao deixar com o menino autista com os avós, além da discriminação e do preconceito, pior, fica revelada a crueldade da exclusão.
 Sobre a “nota dó” que conferi, os mais exaltados manifestaram que fiz um julgamento.     Apressadamente não observaram que foi uma nota de reprovação ao pai, que em troca do conforto aos demais integrantes da família, desprezou o filho autista.
 Criticar talvez seja mais perverso ainda pensar que somos parte do problema, pois quando uma pessoa pública como o apresentador, visto como pai exemplar, com a cumplicidade da mídia divulga matéria cheia de boas intenções para induzir os menos informados a aceitarem que a melhor situação para um filho autista é estar separado da família, porque quem decide é aquele que pensa que sabe onde é o melhor lugar para ele.
 Cada mensagem que foi postada permitiu leituras para todos os gostos, porém o que mais me comoveu foi à manifestação de confiança na capacidade de transformar a diversidade de que é preciso “reinventar a confiança” sobre o que foi dito sobre a atitude do apresentador, que apontou estranhezas várias e diferentes contradições vividas neste nosso mundo autístico, repleto de profundas tristezas e reconfortantes alegrias. “Temos que superar o que de menor nos divide para afirmar o que de maior nos une”
Este é o recado para iniciar um novo ano, é do futuro que importa falar. Devemos nos convencer de que todas as manifestações que vimos, sejam razões mobilizadoras de mudanças para que não subsistam como recordação de fracasso com os autistas.
Aceitar e achar bonita uma situação como essa do apresentador Marcos Mion, será o mesmo que esquecer o essencial dos momentos em que decidimos falar da atitude discriminatória e preconceituosa dele em relação ao próprio filho autista.
Num momento de projeção do que pode ser o ano que agora começa, através de um novo olhar é que podemos nos inspirar nas narrativas comoventes para começar um novo tempo para os nossos autistas.
Nunca é tarde para recomeçar!

Nilton Salvador
rosandores@gmail.com




sábado, 12 de agosto de 2017

A DIFÍCIL TAREFA DA PATERNIDADE

        
Existem muitos meninos que, com uma força enorme que vem de seus corações, se tornam bons pais… um menino que reflete um profundo amor para seus filhos e que se torna capaz de trazer o mais puro e pleno sentido da palavra “pai”, talvez não o pai idealizado pela mãe, exigido pela sociedade, mas do menino que amadurece e, na sua expressão mais pura de si mesmo, consegue ter o reconhecimento e o amor de seus filhos, e conseguem se tornar uma fonte de inspiração e confiança.
Por que eu disse um menino? Porque é assim que eu enxergo, somos meninos, muitas vezes somos mais crianças que nossos próprios filhos. Muitas mães falam que é mais um filho pra educar… e é verdade: somos brincalhões, talvez meio mal educados, um pouco porcalhões, preguiçosos e desleixados muitas vezes… eu sempre brinco dizendo que a gente para de amadurecer aos 15 anos, muitas vezes somos verdadeiros patetas. É bem engraçado quando sua filha adolescente começa a fazer correlações entre você e seus amigos de 13 anos… rsrsrs (ai Pai…), ou quando seu filho briga com você porque você está se divertindo mais do que ele com o carrinho de controle remoto!!!
Mas existe uma força que surge no processo de paternidade que é muito profunda, a de ser o melhor pai que eu puder ser. Um esforço contínuo para estar acima de meus maus hábitos e ser exemplo de caráter e humanidade. Tentar agregar os melhores valores possíveis aos filhos durante o processo de relação. Mas fazer isso da forma mais verdadeira e profunda, através da expressão plena de si mesmo, e não através de palavras e comandos educacionais, ou mesmo uma conduta paternal pré-estabelecida.
Através do convívio, nossos filhos chegam muito próximo à nossa essência e sim, eles percebem o que estamos buscando realizar nesse processo. Somos os mesmos meninos, que por amor, nos superamos pelo bem deles. Essa percepção do verdadeiro ser que se encontra nas profundidades da figura do “pai” é a verdadeira mágica.
Cuidar, proteger e inspirar através do que eu sou… esse é o verdadeiro sentido da paternidade.
Seja o melhor pai que puder ser… mas cuidado com que a cobrança do marido e pai idealizados pelos outros não sobreponha a sua verdadeira expressão e coloque uma carcaça rígida em você.
Palavras e normas patriarcais não são paternidade. A verdadeira Paternidade necessita do encontro das almas.


Feliz dia dos Pais

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

VIVÊNCIAS AUTÍSTICAS : O que você aprendeu com seu filho autista?

VIVÊNCIAS AUTÍSTICAS : O que você aprendeu com seu filho autista?: No início de fevereiro perguntamos aos pais que acompanham o nosso trabalho no Instagram e no Facebook o que eles aprenderam com seus fi...

O que você aprendeu com seu filho autista?

No início de fevereiro perguntamos aos pais que acompanham o nosso trabalho no Instagram e no Facebook o que eles aprenderam com seus filhos autistas. Recebemos muitas respostas lindas e inspiradoras, enviadas por familiares de pessoas com autismo. Abaixo compartilhamos algumas — para ler todas acesse aqui.
“Aprendi, acima de tudo, a acreditar… acreditar no poder do amor, no meu instinto, nas terapias. Aprendi a selecionar as pessoas, as brigas pela quais vale a pena lutar e aquelas que devo deixar pra lá. Aprendi que conquistas são antecedidas por muita luta, que as pessoas têm muito a aprender e que meu filho tem muito a ensinar. Aprendi que o aprendizado é algo constante e que nenhuma verdade é absoluta. Aprendi a força de um abraço no momento certo, a me levantar mesmo quando meus joelhos não aguentam mais, a olhar pra frente e seguir. Aprendi que família é pilar, é força, é amor, é o que você precisar. Aprendi a felicidade de um abraço, a importância de um olhar, a espontaneidade de uma palavra, a esperança de um sorriso, a tristeza do julgamento. Aprendi e ainda tenho muito a aprender. E meu maior professor tem apenas seis anos de idade.” Michely Campos
“Aprendi a ter esperança, pois meu filho me surpreende a cada dia. Também aprendi a batalhar pelos direitos dele, pois vivemos em um mundo que não sabe respeitar aquilo que é diferente, seja esse diferente uma pessoa, um pensamento, a cor da pele…” Tatiani Santos
“Eu aprendi a aceitar o diferente, o que sai do padrão. Aprendi a questionar o que é “normal” e a valorizar as particularidades. Aprendi mais e mais sobre o autismo para poder ensinar para o meu filho sobre suas qualidades e minimizar suas dificuldades. Aprendi a ajudá-lo a construir uma autoimagem positiva e cheia de aceitação e orgulho, pois só assim ele vai ter forças para superar as barreiras sozinho, quando eu não estiver por perto, sem querer fugir ou se esconder. Aprendi muito sobre mim para que eu possa ajudá-lo a ser ele mesmo, em sua melhor versão possível.” Cristiane Carvalho
“Aprendi a dar valor às pequenas coisas: cada nova palavra dita, cada dificuldade ultrapassada… e a ter muita paciência, à espera de ser chamada um dia de mamãe.” Ana Paula Prado
“Aprendi que nem todo mundo tem maturidade emocional para aceitar e respeitar uma criança com necessidades especiais. Aprendi também a ser paciente, persistente, perseverante e uma batalhadora, sempre em busca de terapias e tecnologias que possam beneficiar minha filha, principalmente na sua vida adulta. Não ‘romantizo’ o autismo mas também não ‘dramatizo’, pois acredito no potencial de aprendizagem dos autistas, acredito na ciência e, principalmente e acima de tudo, acredito em Deus.” Manuh Cals
“Aprendi a lidar com o tempo, ensinar todos os dias as mesmas coisas, por meses ou anos, para ter um resultado positivo e comemorar. Aprendi a ter persistência.” Aurila Maria
“Aprendi o verdadeiro significado do AMOR.. Aprendi o verdadeiro significado de PACIÊNCIA. Aprendi o verdadeiro significado de ACREDITAR. E aprendi a AMAR de uma forma que jamais amei e fui amada!!!! Eu aprendo com o autismo todos os dias.” Flávia Magri

P.S.: Uma resposta em especial nos comoveu muito e sentimos a necessidade de compartilhá-la na íntegra com todos os nossos leitores. Conheça aqui a história da Carla Lacerda e do seu filho João Lucas.


segunda-feira, 3 de julho de 2017

I SIMPÓSIO PARANAENSE DE NEUROCIÊNCIA E EDUCAÇÃO TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM

O I Simpósio Paranaense de Neurociência e
Educação acontecerá nos dias 6, 7 e 8 de julho, no auditório da Faculdade de Educação Superior do Paraná (Fesp), na Rua Dr. Faivre, 141.

Inscrições e programação completa no site do evento: 


PROGRAMA

06 de julho de 2017 - Quinta-feira – 8h às 19h
SIMPÓSIO DE ABERTURA
Coordenadora: Marcia RMS Valiati
Palestrantes: Dr. Clay Brites – 8h20 às 8h40 e Dra Tatiana I J S Riechi - 8h40 às 9h Neurociências e Educação: demandas da pós-modernidade
MESA REDONDA 1  
DIÁLOGOS ENTRE EDUCAÇÃO E A NEUROCIÊNCIA
Coordenadora: Tatiana Riechi
  Aprendizagem – Dra. Cláudia Maria Sallai Tanhoffer - 9h às 9h20
  Neurociência na Escola  Dra. Sandra Regina Dias da Costa 9h20 às 9h40
  Biologia da Aprendizagem  Dr. Antônio Carlos de Farias - 9h40 às 10h INTERVALO: 10h às 10h30
MESA REDONDA 2  
COMORBIDADES E PROBLEMAS DE APRENDIZAGEM
Coordenadora: Jaqueline Gnata de Freitas

  Sono e Aprendizagem formal – Dra. Sofia Pereira – 10h30 às 10h50
  Cefaleias e Aprendizagem na Infância e adolescência  Dr. Alcir Francisco da Silva – 10h50 às 11h10
  Epilepsia e Aprendizagem – Dr. Sérgio A. Antoniuk – 11h10 às 11h30
  Família e os Transtornos de Aprendizagem – Giovana Maria Silva Campos – 11h30 às 11h50.


X JORNADA PARANANENSE ABENEPI/PR VI JORNADA DO CENEP/HC TRANSTORNOS DO NEURODESENVOLVIMENTO INFANTIL
 6       de julho de 2017 - Quinta-feira  8h às 19h 
Credenciamento - 12h00 às 13h30
Ø            Abertura - 13h30 às 14h
Dr. Sérgio Antiniuk, Dra Tatiana Riechi, Dr Clay Brites
Ø            Palestra 1 – NEUROPSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
Coordenadora: Cristina Andrade da Silva
  Desenvolvimento Neuropsicomotor  Dra. Marcia RMS Valiati  14h às 14h20
  Diagnóstico Precoce – Dra. Joseli Maito de Lima – 14h20 às 14h40
  Nascimento Psicológico da Criança – Dra. Tatiana IJ Riechi - 14h40 às 15h
Ø            Mesa Redonda 1  
         TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE
Coordenador: André Luis Santos do Carmo
  TDAH ao longo da vida – Dr. Sérgio A. Antoniuk- 15h às 15h20
Ø            • Coaching e TDAH – Ms. Maria Cristina Bromberg – 15h20 às 15h40
  Tratamento Alternativo TDAH – Dr. Luis Paulo F.S. Dutra – 15h40 às      16h
INTERVALO - 16h às 16h20
Mesa Redonda 2 
ATUAÇÃO INTERDISCIPLINAR NA AVALIAÇÃO DOS TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
Coordenadora: Ana Carla Giardini
  Aspectos Neurológicos  Dra. Ana Chrystina de Souza Crippa  16h20 às 16h40
  Aspectos Fonoaudiológicos  Dra. Nadja Cristina Furtado Back  16h40 às 17h
  Oftalmologista – Dra. Claúdia Cabral Dettmer 17h às 17h20
  Psicopedagogia – Juliana Lautenschlaeger Damari – 17h20 às 17h40
  Assistente Social – Sandra Vieira Silva - 17h40 às 18h
Ø            Seminário 1
         TRANSTORNOS DA APRENDIZAGEM E O IMPACTO NA SOCIEDADE
Coordenadora: Juliana Lautenschlaeger Damari
  Impacto na escola – Ms. Jaqueline Gnata de Freitas - 18h às 18h20
  Comunicação Social – Giselle Kubrusly Sypczuk 18h20 às 18h40
  Impacto do Transtorno Matemático  Raquel P.de Oliveira- 18h40 às 19h


 7       de julho de 2017 - Sexta-feira  8h às 19h

Ø            CENEP em Evidências - Dr. Sérgio A. Antoniuk - 8h às 8h20
Ø            50 anos Neuropediatria - Dra: Maria Valeriana  8h20 às 8h40
Ø          Mesa Redonda 3 
        TRANSTORNOS DO NEURODESENVOLVIMENTO E PSIQUIÁTRICOS NA INFÂNCIA
Coordenador: Dr. Jair Ramos Braga Filho

  Transtornos do Espectro do Autismo: perspectiva categorial da nova perspectiva dimensional
– Dr. Daniel Valdez - 8h45 às 9h15
  Instrumentos de Triagem e as chaves para avaliação e tratamento –  Dr. Daniel Valdez  9h15 às 9h45
  Transtornos Psiquiátricos na Infância: Sinais precoce de Alerta  Dr. Gustavo Manoel Schier Doria  9h45 às 10h

INTERVALO – 10h às 10h20
Ø            Palestra 3 
         RELAÇÕES INTERPESSOAIS, INTELIGÊNCIA EMOCIONAL  10h20 às 12h
Coordenador: Daniele Fajardo
Palestrante: Dr. Daniel Valdez

  Cognição social no autismo. • Estratégias de avaliação intervenção. • Intervenção clínica educacional a partir das dimensões alteradas alterados no espectro.  Relações interpessoais e de leitura mental.• Você pode ensinar a interpretar emoções?  Apropriação de programa de leitura habilidades sociais.
Ø            Palestra 4 
              PERSPECTIVAS TEÓRICAS E PESQUISA ATUAL SOBRE A FUNÇÃO DA MEMÓRIA EM PERTURBAÇÕES DO ESPECTRO DO AUTISMO 
        13H30 às 15h10
Coordenador: Mara Cordeiro
Palestrante: Dra. Karina Solcoff
  Características psicológicas TEA: habilidades cognitivas e de memória. 
• Desenvolvimento da memória poderes executivos. 
• Sistemas de memória: perspectivas funcionais.
• Memória desenvolvimento evolutivo: dificuldades de memória em ASD. 
 A memória declarativa: semântica e episódica memória: pesquisa atual em ASD. 
 Avaliação da memória autobiográfica: recordação livre, recordação e reconhecimento; memória autobiográfica do espectro do autismo.
  Os dados experimentais; memória de origem; memória prospectiva. 
 Estratégias de intervenção psicoeducacional. 
• Funções executivas em perturbações do espectro do autismo. 
• Prevendo, flexibilidade atividade sentido. 
• Chaves para intervenção psicoeducacional na memória autobiográfica.

INTERVALO -  15h10 às 15h30
Ø            Palestra 5  TEORIA DA MENTE - 15h30 às 16h30
Coordenador: Karine Anglieri
Palestrante: Dr. Daniel Valdez
  Teoria da mente, teórica perspectivas ontogenéticos. 
• Teoria da mente, emoções interrelação. 
 A teoria da mente no inventário do espectro do autismo (IDEA) de Rivière. 
• Estratégias de intervenção psicoeducacional.


 Ø            Seminário 2  TRATAMENTOS FARMACOLOGICOS CANNABIS  16h30 às 18h Coordenador: Dra.TAISA RASERA SIMÕES DE ASSIS
Palestrantes:
  Dra Ana Chrystina de Souza Crippa - 16h30 às 17h
  Dr. Sérgio A. Antoniuk -17h às 17h30
Ø            Palestra 6 
ABENEPI- NACIONAL
Coordenador: Dr. Mauricio N. Ehlke
   Comorbidades Neurológicas do TDAH –Dr. Gustavo Valle  17h30 às 18h20
   Comorbidades Psiquiátricas do TDAH –Dr. Ricardo Kause -18h20 às 19h
20h00 - Jantar em comemoração aos 50 anos da ABENEPI ( por adesão)
8       de julho de 2017 - Sábado
Ø            Palestra 7  EDUCAÇÃO INCLUSIVA  SISTEMAS DE APOIO À INCLUSÃO DE ALUNOS COM TEA NA ESCOLA - 8h30 às 10h30
Coordenador: Dr. Sergio Antoniuk
Palestrante: Dr. Daniel Valdez

  Inteligência emocional, relações interpessoais e teoria da mente na escola. 
 Funções executivas, antecipação e flexibilidade 
 A inclusão de índice. 
Criar culturas de aprendizagem e participação apoio para reduzi-los.
• Práticas de apoiar os professores em contextos escolares. 
• Elaborar um plano de ação: centrada na pessoa, o planejamento. 
 Utilização de materiais visuais na escola.
  Que tipos de apoio são necessários para os alunos? pistas antecipatória, agendas visuais e de inclusão 
 Escritório de dispositivos de apoio aos estudantes para a aprendizagem.

INTERVALO – 10h30 às 11h

Ø            MESA REDONDA 5 : EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM CURITIBA- 11h00 às 12h30
Coordenador: Daniel Valdez

  A visão das escolas particulares  SINEPE/PR-  Dr. Juliano Siqueira de Oliveira 11h às 11h20
  A visão da escolas Municipais  SME/PMC - Susan Ferst - 11h20 às 11h40
  A visão da Universidade  Dra Laura Ceretta.  11h40 às 12h
  A visão dos pais   Nilton Salvador  12h às 12h20

Ø            Palestra 8  
          RELAÇÕES SOCIAIS, AFETIVIDADE E COMUNICAÇÃO
Coordenador: Dr. Isac Bruck
Palestrante: Dr. Daniel Valdez - 14h00 às 15h30

  Estratégias de intervenção psicoeducacional na compreensão emocional, habilidades pragmática .
  Teoria da Mente nos comportamentos desafiadores escolar. (acessos de raiva, automutilação heteroagressão)
  O conceito de comportamento desafiador. Análise funcional do comportamento.

INTERVALO – 15h30 às 15h50

Ø            Palestra 9 
           COMUNICAÇÃO e TEA - 15h50 às 17h20
Coordenador: Gisele K. Sypczuk
Palestrante: Dr. Daniel Valdez

  Programa de intervenção Comunicação em problemas comportamentais.
  A hipótese de comunicação e intervenção no contexto.
  Chaves para a intervenção de professores e equipes escolares.
  Dispositivos de assistência e SAAC (sistemas de comunicação aumentativa) para inclusão educacional

Ø            Palestra 10  Eu sou Autista - 17h20 às 18h30
Coordenador: Sergio A. Antoniuk

Palestrante: NICOLAS BRITO  Autista e Fotografo 18h30 - Encerramento